Região Amazônica precisa de investimento de R$ 14 bi, diz consultor da CNI

Karen Silva, Agência Indusnet Fiesp

Imagem relacionada a matéria - Id: 1539618041

Olivier Girard, da CNI, discute plataformas logísticas e a multimodalidade

Na avalição do consultor da Confederação Nacional das Indústrias (CNI), Olivier Girard, se fosse realizado um investimento de 14 bilhões de reais na precária logística da Amazônia resolveria todo o problema para os próximos 10 anos.

O custo de frete hidroviário chega a ser 60% mais barato do que o custo de frete rodoviário. Assim, é muito mais econômico para as cargas serem transportadas por hidrovia do que por rodovia”, disse Girard sobre possíveis áreas de investimentos na região Norte do País.

Ele participou da mesa Plataformas Logísticas e a Multimodalidade durante o 6º Encontro de Logística e Transportes promovido pelo Departamento de Infraestrutura (Deinfra) da Fiesp.

Durante o encontro, o consultor falou sobre o projeto Norte Competitivo, cujo objetivo é promover o planejamento estratégico da logística de carga dos novos estados que compõem a Amazônia Legal de forma integrada e suprarregional. “Existe a necessidade de reduzir os custos logísticos como um todo.”

Iniciativa Privada

Imagem relacionada a matéria - Id: 1539618041

Milton Xavier, do Dersa, pontuou problema de escoamento de cargas ao porto de Santos via modal rodoviário

Além de Olivier Girard, a mesa contou com a participação de Giuseppe Vecci, secretário de Planejamento do estado de Goiás, que pediu por investimentos da iniciativa privada na infraestrutura de transportes de seu estado.

“Temos espaço para crescer e queremos desenhar uma nova plataforma de logística com investimento da iniciativa privada. Precisamos modernizar e duplicar as rodovias”, informou.

Escoamento de Cargas

O superintendente de Planejamento do Desenvolvimento Rodoviário S.A. (Dersa), Milton Xavier, pontuou o conhecido problema de escoamento de cargas para o porto de Santos via modal rodoviário. “Precisamos construir infraestrutura no meio urbano para evitar a saturação de acesso. A pista Sul da Anchieta, por exemplo, já está saturada hoje”, afirmou a autoridade ao reconhecer que cerca de 80% da carga geral está relacionada a produtos de escoamento industrial.