Carga tributária e custo de assistência médica preocupam os RHs na área de saúde

Ariett Gouveia, Agência Indusnet Fiesp

Durante o seminário “FAP-RAT-NTEP: efeitos na Gestão Empresarial”, realizado nesta segunda-feira (29/09) pela Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), a diretora adjunta do Comitê de Responsabilidade Social (Cores) da entidade, Grácia Fragalá, apresentou os resultados da pesquisa “Rumos sobre a Segurança e Saúde do Trabalho”.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1544760349

Grácia: pesquisa também mostra que 30% das empresas oferecem benefícios corporativos voltados para a qualidade de vida. Foto: Tâmna Waqued/Fiesp


Feita no mês de agosto com 401 indústrias de pequeno, médio e grande porte, a pesquisa teve a finalidade de identificar os desafios de segurança e saúde para a indústria.

A alta carga tributária relacionada à área trabalhista foi identificada como o desafio mais crítico pelas indústrias em geral. Em segundo lugar, os pesquisados citaram como dificuldade o alto custo das assistências médicas. Em terceiro, entre as empresas de pequeno porte ficaram os afastamentos e, entre as indústrias de médio e grande porte, os níveis de produtividade.

Sobre o motivo de investirem em política estruturada de segurança e saúde, entrevistados citaram, pela ordem, o cuidado e a preocupação com os seus trabalhadores, a redução dos custos com assistência médica e aumento de produtividade.

“A pesquisa também mostra que 30% das empresas oferecem benefícios corporativos voltados para a qualidade de vida, como home-office, horário flexível e compensação de horas, aparecendo inclusive em pequenas e médias empresas”, diz Grácia.

“As empresas também demonstraram querem conhecer mais sobre segurança e saúde, o que representa uma oportunidade para a Fiesp, que busca estimular as indústrias a realizar uma gestão estratégica da saúde, unindo ambiente de trabalho seguro e saudável, práticas de promoção de saúde e prevenção de doenças.”

Acesse as apresentações disponibilidades pelos palestrantes do seminário “FAP, RAT, NTEP – Efeitos na Gestão Empresarial”


NJE/Ciesp promove Feirão do Imposto para revelar peso das taxas no Brasil

Agência Ciesp de Notícias

Desde o início deste ano, os números do impostômetro não param de rodar. As crifras já ultrapassaram a quantia de R$ 1,130 trilhão de recolhimento de impostos municipais, estaduais e federais.  Com esse valor é possível pagar 64.623 meses de contas de luz de todos os brasileiros, construir mais de 841.562 quilômetros de estrada, fornecer medicamentos para toda a população do país por 374.861 meses e pagar mais de 1.555.939.650 salários mínimos à população.

Com o objetivo de conscientizar a população sobre a alta carga tributária no Brasil, o Núcleo de Jovens Empreendedores (NJE) do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Ciesp) organiza o Feirão do Imposto.

Neste sábado (13/09), em oito cidades do Estado concomitantemente: Alta Noroeste (Araçatuba), Americana, Guarulhos, Jacareí, Jaú, Jundiaí, São Bernardo do Campo e Taubaté. Voluntários dos NJEs regionais e universitários estarão mostrando à população o quanto é recolhido em cada produto comprado ou serviço prestado.

Durante o Feirão, os visitantes receberão tabela que mostra o peso dos impostos em dezenas de itens de consumo. A lista mostra a carga que incide no açúcar, que é de 30,60%, leite (18,65%), medicamentos (33,87%), gasolina (53,03%), conta de luz (48,28%), água (24,02%), micro-ondas (59,37%) e também na dose de cachaça (81,87%), a mais alta da lista. Na média, o consumidor recolhe mais de 45% em impostos em cada produto ou serviço que adquire. Clique aqui para abrir as tabelas de produtos e impostos cobrados.

O Feirão do Imposto é uma iniciativa da Confederação Nacional dos Jovens Empresários (Conaje) e de entidades em São Paulo, como a Federação e Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp e Ciesp), representados respectivamente pelo CJE e o NJE.