Empresas devem intensificar comunicação interna e capacitar colaboradores, segundo presidente eleito da ABRH-SP

Edgar Marcel, Agência Indusnet Fiesp

Imagem relacionada a matéria - Id: 1540175455

Almiro dos Reis Neto, presidente eleito da Associação Brasileira de Recursos Humanos (ABRH)

A área de Recursos Humanos é multidisciplinar e com múltiplas maturidades. Emprega psicólogos, administradores, pedagogos, publicitários e jornalistas. E para falar sobre  o cenário atual do setor e como tornar o RH estratégico, Almiro dos Reis Neto, presidente eleito da Associação Brasileira de Recursos Humanos de São Paulo (ABRH-SP), participou do Fórum Capital Humano – Ferramentas de Desenvolvimento e Competitividade, realizado ao longo de terça-feira (02/10) na sede da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp).

O panorama brasileiro, segundo o presidente eleito da ABRH-SP, aponta dificuldades na contratação de mão de obra e registra até “importação” de trabalhadores capacitados vindos, por exemplo, da Europa e Estados Unidos. “Para se ter ideia, no nordeste do país não se acha pedreiros ou garçons. Eles são disputados a tapa pelo setor hoteleiro e de serviços.”

Entre os desafios que o setor de RH enfrenta, Almiro dos Reis Neto destacou a necessidade de uma comunicação mais intensa nas empresas, além de empregar times de alto desempenho com metas estabelecidas. “Quando a empresa começa a falar com o colaborador, surgem planos de cargos e salários, integração e treinamentos.”

Para o presidente eleito da ABRH-SP, isso é possível desde que os empresários sejam estimulados a ter um RH estratégico. “É mais barato promover gente ‘dentro de casa’, com capacitação interna, do que buscar no mercado. Com essas características, o RH apresenta um custo menor e se encaixa na empresa de forma estratégica”, explicou.

Ao final, Almiro dos Reis Neto afirmou ser possível a mudança das empresas nesta direção. “Não existe ‘chegar lá’; o desafio é sempre ir para algum lugar melhor que o de antes. O mundo está em permanente transformação”, considerou.