Empresas alertam seus funcionários sobre o voto consciente

Agência Indusnet Fiesp,

Imagem relacionada a matéria - Id: 1544860577

Monna Chamma, coord. de Respons. Social da Ind. Química Givaudan.

Você se lembra em quem votou nas últimas eleições? Você acompanhou o desempenho do seu candidato? Em um Estado Democrático de Direito, com o sistema eleitoral mais informatizado do mundo, essas perguntas deveriam passar longe de qualquer tipo de questionamento ou contestação, porém, não é o que acontece.

Durante o último dia (26) da 4ª edição da Mostra Fiesp/Ciesp de Responsabilidade Socioambiental da Fiesp, algumas empresas trouxeram experiências de campanhas para a conscientização política dos funcionários. Os resultados mostraram que boa parte dos colaboradores gostaria de vivenciar mais a política. No entanto, por falta de estímulos e de conhecimento, eles acabam perdendo o interesse e se alienando.

A coordenadora de Responsabilidade Social da Indústria Química Givaudan, Mona Chamma, salientou que empresas e instituições também têm o dever de informar e disseminar a consciência política de seus cidadãos/funcionários. “O voto não termina após o depósito na urna. É preciso acompanhar a rotina e o desempenho de seu candidato”, afirmou.


Sensibilização

Imagem relacionada a matéria - Id: 1544860577

Juliana Gil, executiva da FSBFoods

Já a estratégia da FSBFoods, que atua na área de alimentação, foi o da participação ativa, por meio da realização de eleição interna dos funcionários para o cargo de Presidente da República.A empresa desencadeou processos de sensibilização nas eleições de 2006, 2008 e, agora, em 2010, para seus mais de 300 funcionários. A estratégia incluiu peças de comunicação, e-mail marketing, além de palestras com consultores e cientistas políticos a fim de enfatizar a importância de escolher sabiamente um candidato, checando o histórico do que ele já fez e o que se propõe a fazer.

“Nestas eleições, poderemos fazer uma análise comparativa com as eleições de 2006”, explicou a executiva da Givaudan.

Os candidatos-voluntários elaboraram propostas de governo nas áreas de educação, economia, infraestrutura, qualidade de vida, saúde e meio ambiente, inclusive, contando com o apoio de suas famílias.

“Essa experiência fez com que eles entendessem não só a importância de estar atento às propostas dos candidatos para o País como o seu papel no governo”, concluiu a executiva da FSBFoods, Juliana Gil.