Fiesp: indústria é a favor de maior integração externa

Agência Indusnet Fiesp

Quase um ano após lançar a “Agenda de Integração Externa”, na qual sintetizou os assuntos de maior relevância para a integração econômica internacional brasileira, o Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior (Derex) da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) volta ao tema, definindo propostas concretas que auxiliem a inserção da indústria brasileira no mundo.

Segundo as “Propostas de Integração Externa da Indústria”, a agenda externa deve ser vista como parte integral do desenvolvimento econômico, pois contribui para o aumento das exportações e investimentos e melhora a competitividade por meio do acesso à tecnologia e à inovação de padrão internacional.

Outro aspecto destacado no documento da Fiesp é a tendência de negociação de “mega-acordos” comerciais, que tendem a tornar mais rígidas as normas vigentes no comércio internacional e consequentemente afetarão a indústria brasileira. Por isso, é necessário que o Brasil participe ativamente da formulação destas regras.

“As principais nações estão em busca de novos acordos e isso irá alterar de forma significativa o cenário do comércio internacional. O Trans-pacific Partnership (TPP) e o Transatlantic Trade and Investment Partnership (TTIP) estão aí para comprovar essa movimentação”, alerta o diretor do Derex, Thomaz Zanotto. “Quando bem planejadas e negociadas, a abertura e integração econômica trazem mais investimentos, comércio, tecnologia e riqueza ao pais. Permanecer à margem desse processo não pode ser uma opção para o Brasil.”

Para acessar na íntegra o “Documento de Posição – Propostas de Integração Externa da Indústria”, clique aqui.

Fiesp propõe ações para melhorar integração econômica do Brasil com o mundo

Agência Indusnet Fiesp

Imagem relacionada a matéria - Id: 1545069236A Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), por meio do Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior (Derex), lançou na tarde desta quinta-feira (13/06), a chamada “Agenda de Integração Externa”.

O documento propõe ações que devem ser tomadas para que o Brasil alcance uma maior inserção econômica e comercial no plano internacional, sejam no âmbito da integração extrarregional, parcerias econômicas ou negociações multilaterais.

A Fiesp defende que a integração com parceiros da Europa, América do Norte e com o Japão – referências em conhecimento científico e inovação – é fundamental para elevar o patamar de competitividade brasileiro. Ao mesmo tempo, entende que é necessário fortalecer as relações com o Mercosul e a integração física com os países sul-americanos.

Para que o país avance qualitativamente em sua política internacional, a “Agenda de Integração Externa” sugere acelerar tratativas para a conclusão de acordos de livre comércio, facilitar a mobilidade de mão de obra entre algumas nações e desenvolver missões comerciais focadas na atração de empresas de alta tecnologia.

Para o diretor-adjunto do Derex, Thomas Zanotto, o importante é  ter acordos com países e regiões que integrem as empresas brasileiras às cadeias globais e que sejam fonte de investimentos e parcerias tecnológicas.

A Agenda de Integração Externa traz ainda propostas de cooperação com a África; de exportação para os BRICS [grupo de cooperação formado por Brasil, Rússia, Índia e China) e à África do Sul] e outros mercados relevantes; e de acordos para evitar a dupla tributação internacional.

Acesse o documento na íntegra: ‘Agenda de Integração Externa’