Skaf no JN: ‘Humanidade 2012 mostra consciência do Brasil na questão da sustentabilidade’

Juan Saavedra, Agência Indusnet Fiesp 

Paulo Skaf, presidente da Fiesp: 'O Humanidade 2012 mostra a consciência que o Brasil tem, que a sociedade tem, na questão da sustentabilidade'

Paulo Skaf, presidente da Fiesp: 'O Humanidade 2012 mostra a consciência que o Brasil tem, que a sociedade tem, na questão da sustentabilidade'

Principal telejornal na grade da programação da rede Globo, o Jornal Nacional (JN) de segunda-feira (11/06) exibiu reportagem de quase dois minutos sobre o Humanidade 2012, evento paralelo à Rio+20 que fica aberto ao público até sexta da semana que vem (22/06), no Forte de Copacabana, no Rio de Janeiro.

Paulo Skaf, presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), uma das idealizadoras da iniciativa, afirma na matéria que o Humanidade 2012 tem uma abordagem mais ampla. “Mostra a consciência que o Brasil tem, que a sociedade tem, na questão da sustentabilidade”.

Depois de exibir belas imagens aéreas das instalações do evento, num dos cartões postais da cidade,a reportagem de Mônica Teixeira destaca que a estrutura metálica do evento é uma construção sustentável. “Móveis e o lixo gerado aqui vão ser reaproveitados. Mais de um milhão de bonecos estão espalhados para reapresentar a população mundial, de mais de sete bilhões de habitantes. Nesse espaço somos convidados a pensar sobre o que estamos fazendo com o planeta”, diz a narrativa em off.

A repórter mostra ainda a biblioteca formada por 10.000 títulos selecionados por 120 personalidades brasileiras e o mecanismo que alinha um pêndulo no centro do prumo quando acionado por 100 pessoas ao mesmo tempo.

Firjan e Fundação Roberto Marinho

Também são ouvidos pelo JN representantes dos demais realizadores do evento. Eduardo Eugenio Gouvêa Vieira, presidente do Sistema Firjan, diz que a questão da sustentabilidade é fundamental. “O mundo, no futuro, depende de nós – as próximas gerações dependem de nós.”

Adriana Margit, da Fundação Roberto Marinho, comenta que o espaço pode influenciar positivamente os visitantes. “Você pode sair daqui com o jeito de fazer, o desejo de se transformar e o desejo de pensar o futuro, de se pensar no futuro, porque todos nós queremos fazer parte dele.”

O Humanidade 2012 é uma iniciativa conjunta da Fiesp, Sistema Firjan, Fundação Roberto Marinho, Sesi-Rio, Sesi-SP, Senai-Rio, Senai-SP, com patrocínio da Prefeitura do Rio, do Sebrae e da Caixa Econômica Federal.

Veja aqui a reportagem na íntegra. 

Michel Temer elogia Humanidade 2012: ‘Compatível com a grandeza do Brasil’

Alice Assunção, Agência Indusnet Fiesp

Michel Temer, vice-presidente da República: 'Valeu a pena conhecer o que nós estamos conhecendo aqui hoje. É algo portentoso e compatível com a grandeza do Brasil'

Michel Temer, vice-presidente da República: 'Valeu a pena conhecer o que nós estamos conhecendo aqui hoje. É algo portentoso e compatível com a grandeza do Brasil'

Durante breve pronunciamento na abertura oficial do Humanidade 2012, evento paralelo à Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20, o vice-presidente da República, Michel Temer, saudou o evento, idealizado pela Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) em conjunto com o Sistema Firjan, a Fundação Roberto Marinho e a Prefeitura do Rio de Janeiro.

“A iniciativa em conjugação com o poder público é extraordinária e nos revela que o esforço do setor privada com o poder público gera esse resultado estupendo”, disse Temer.

Ao falar sobre o Humanidade 2012, o vice-presidente da República afirmou que o evento tem como ideia central colocar – “ou recolocar” – o homem no centro do universo, “Valeu a pena conhecer o que nós estamos conhecendo aqui hoje. É algo portentoso e compatível com a grandeza do Brasil”.

Temer acrescentou ainda que é preciso preservar o meio ambiente para assegurar um futuro sustentável às novas gerações.

Humanidade 2012 prossegue até o dia 22 de junho. A iniciativa da Fiesp, Sistema Firjan e Fundação Roberto Marinho conta com a parceria do Sesi-SP, Senai-SP, Sesi Rio, Senai Rio. Além da Prefeitura do Rio, patrocinam o evento o Sebrae e a Caixa Econômica Federal.

Fiesp e Firjan prestam homenagem a Eliezer Batista em cerimônia do Humanidade 2012

Dulce Moraes, Agência Indusnet Fiesp

Imagem relacionada a matéria - Id: 1539748153

Paulo Skaf e o presidente da Firjan, Eduardo Gouvêa prestaram homenagem a Eliezer Batista

Durante a cerimônia de abertura do Humanidade 2012, no início da noite desta segunda-feira (11/06), as Federações das Indústrias dos Estados de São Paulo e do Rio de Janeiro (Fiesp e Firjan) prestaram uma homenagem especial ao engenheiro Eliezer Batista, duas vezes ministro de Estado e ex-presidente da então estatal Companhia Vale do Rio Doce.

Eliezer Batista, pai do empresário Eike Batista (grupo EBX), foi saudado pelo presidente do Sistema Firjan como um dos precursores do pensamento empresarial focado na sustentabilidade com preocupação ambiental.

Ao receber a homenagem, Batista falou da importância do pensamento sistêmico-holístico, isto é, em se pensar cada parte e no todo. Um conceito que, em sua opinião, muitas vezes é mal interpretado. Ele, que aprendeu a gostar da natureza com o pai, relatou que no início de sua carreira, na então Vale do Rio Doce, focou a realização de reflorestamento e recuperação das florestas no estado do Espírito do Santo. Citou contribuições de iniciativas brasileiras no campo ambiental, que ajudaram a compor o conhecimento no mundo sobre o significado da palavra sustentabilidade.

Batista lembrou ainda que em torno dos grandes projetos – como Serra Pelada, Carajás e Brasília – há sempre o risco do grande prejuízo social quando não se dá continuidade ao esforço conjunto, principalmente com a participação do governo. Nesse sentido, destacou a importância de investimentos no aspecto cultural. “Hoje, temos a nova noção de desenvolvimento sustentável sem esquecer-se da gestão da comunidade do entorno”, concluiu.

Hugo Barreto, da FRM: ‘Humanidade 2012 deve estimular a busca de transformações’

Agência Indusnet Fiesp

Representando o presidente da Fundação Roberto Marinho (FRM), José Roberto Marinho, ausente em função de uma forte gripe, o secretário-geral da instituição, Hugo Barreto, destacou durante a cerimônia oficial de abertura do Humanidade 2012 , na noite de segunda-feira (11/06), que cada um deve refletir sobre nossas atividades e nossos compromissos para que o mundo alcance o desenvolvimento sustentável.

“Este espaço [Humanidade 2012] resgata a reflexão dentro do campo simbólico, sobre o que somos e o que queremos ser”, disse Barreto, ressaltando a importância do encontro e da iniciativa conjunta com a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), o Sistema Firjan e a Prefeitura do Rio de Janeiro.

Barreto também assinalou que toda e qualquer transformação para o futuro acontece no próprio cotidiano. “Essa é a revolução moderna, que devemos perseguir e construir”, citando algumas iniciativas da Fundação já conhecidas do grande público, como os programas Globo Ciência e Globo Ecologia e a implementação do canal Futura, que conta com a parceria da Firjan, Fiesp, Sebrae e empresas privadas.

O secretário-geral da FRM também anunciou novas iniciativas como o projeto Florestabilidade, que irá oferecer cursos de gestão de florestas aos povos que habitam no Brasil.

“Não vim para falar apenas do que fazemos, e sim falar que devemos valorizar esse sonho de perseguir transformações”, concluiu.

Fiesp e parceiros abrem oficialmente evento Humanidade 2012

Agência Indusnet Fiesp 

Em cerimônia no Forte de Copacabana, no Rio, o presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf, participou na noite desta segunda-feira (11/06) da abertura oficial do Humanidade 2012 – iniciativa da Fiesp e de parceiros para realçar o importante papel que o Brasil exerce hoje como um dos líderes globais no debate sobre o desenvolvimento sustentável.

Ao falar do evento, paralelo à Conferência das Nações Unidades sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio+20), Paulo Skaf reforçou que não há crescimento sustentável quando se priva uma pessoa de um emprego ou de um prato de comida.

“Crescimento sustentável é respeito ao meio ambiente, mas também a busca do equilíbrio com desenvolvimento econômico e social, dando oportunidade às pessoas. E tudo isso é traduzido de uma forma mágica e criativa neste espaço [Humanidade 2012] que é uma contribuição que as indústrias paulista e fluminense, juntamente com a Fundação Roberto Marinho e a Prefeitura do Rio de Janeiro, estão dando ao Brasil”, explicou Skaf.

Da esquerda para direita: Paulo Skaf (presidente da Fiesp), Eduardo Paes (prefeito do Rio de Janeiro), Michel Temer (vice-presidente da República), Eduardo Eugenio Gouvêa Vieira (presidente da Firjan) e Hugo Barreto (secretário-geral da Fundação Roberto Marinho)

Paulo Skaf (presidente da Fiesp), Eduardo Paes (prefeito do Rio de Janeiro), Michel Temer (vice-presidente da República), Eduardo Eugenio Gouvêa Vieira (presidente da Firjan) e Hugo Barreto (secretário-geral da Fundação Roberto Marinho)



O vice-presidente da República, Michel Temer, afirmou que a iniciativa é extraordinária e revela o esforço do setor privado com o poder público. “Valeu a pena conhecer o que nós estamos conhecendo aqui hoje. É algo portentoso e compatível com a grandeza do Brasil”, acrescentou.

Participaram da cerimônia o presidente do Sistema Firjan, Eduardo Eugenio Gouvêa Vieira; o secretário-geral da Fundação Roberto Marinho, Hugo Barreto, representando o presidente da instituição, José Roberto Marinho, ausente devido a uma forte gripe; e representantes de patrocinadores do evento, como o prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes.

A programação do Humanidade 2012 prossegue até sexta-feira da semana que vem (22/06), com encontros, seminários e debates. O circuito expositivo será aberto nesta terça (12/06), a partir das 10h.

Autoridades

Eduardo Eugenio Gouvêa Vieira, presidente do Sistema Firjan, afirmou que a realização do Humanidade 2012 só foi possível porque os parceiros criaram uma aliança sustentável de vontades: “Este é um espaço plural e sempre aberto ao público, que vivenciará a sustentabilidade. É um lugar onde o desenvolvimento sustentável deixará de ser um conceito vago”.

Hugo Barreto, secretário-geral da Fundação Roberto Marinho, afirmou que o espaço resgata a reflexão dentro do campo simbólico, “sobre o que somos e o que queremos ser”, enfatizando que toda e qualquer transformação para o futuro acontece no próprio cotidiano. “Essa é a revolução moderna que devemos perseguir e construir”, completou.

O prefeiro do Rio, Eduardo Paes, ressaltou que a iniciativa permite a integração importante de todos os atores. “Sociedade civil, entidades empresariais, ou seja, atores importantes na tomada de decisões sobre questões sustentáveis”.

Homenagem a Eliezer Batista

Paulo Skaf e o presidente da Firjan aproveitaram a ocasião para prestar uma homenagem a Eliezer Batista, ministro das Minas e Energia nos anos de 1962-1963, e presidente da então estatal Companhia Vale do Rio Doce entre os anos de 1961 e 1964 e de 1979 a 1986. Eles entregaram uma obra do escultor Carlos Vergara.

Diversos diretores da Fiesp e do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo acompanharam a cerimônia, realizada no Espaço Capela, onde a diretora e cenógrafa Bia Lessa montou uma biblioteca formada por 10.000 títulos selecionados por 120 personalidades brasileiras.

Bia Lessa: ‘Estamos aqui para criar a ideia de humanidade’

Em sua apresentação, Bia Lessa, responsável pela concepção do espaço Humanidade 2012, falou sobre a importância de todas pessoas de vários segmentos da sociedade estarem reunidos no espaço Capela: “Esse é o lugar do saber, o lugar da possibilidade de encontros. Estamos aqui para que todos possam criar uma ideia de humanidade”.

Tendo ao fundo o som da narrativa da cantora Maria Bethania, Bia Lessa apresentou outro símbolo, o pêndulo, que, segundo ela, representa como o planeta está fora de prumo e o quanto é importante a atuação de cada um na mudança dessa realidade e na construção de uma real humanidade.