Agenda: Teatro do Sesi-SP tem nesta terça (16/04) apresentação extra da peça ‘A Viagem do Capitão Tornado’

Danusa Etcheverria, Agência Indusnet Fiesp 

Devido à grande procura do público, o espetáculo teatral A Viagem do Capitão Tornado, encenado por atores com síndrome de Down, do Grupo ADID de Teatro, terá uma apresentação extra.

A exibição será no dia 16 de abril, terça-feira, às 21h, no Teatro do Sesi-SP, com entrada gratuita. Após a sessão, Leonardo Cortez e o elenco participarão de um bate-papo com o público.

Com direção de Leonardo Cortez, a comédia dramática é uma adaptação do romance do escritor francês Théophile Gautier, ambientada na Paris do século 17. A montagem é resultado da parceria entre o Sesi-SP e a Associação para o Desenvolvimento Integral do Down (ADID), instituição fundada em 1989 por pais de crianças com Síndrome de Down.

No dia 23 de fevereiro, durante a apresentação única da peça, mais de 400 pessoas lotaram o Teatro do Sesi-SP, na Paulista, para assistir ao espetáculo que emocionou público e elenco. Saiba mais aqui.

Serviço

Espetáculo A Viagem do Capitão Tornado
Local: Teatro do Sesi-SP – Av. Paulista, 1313, Metrô Trianon-Masp)
Data/horário: apresentação extra no dia 16 de abril (terça-feira), às 21h
Capacidade: 456 lugares
Gênero: comédia dramática
Duração: 80 minutos
Classificação indicativa: livre
Informações: (11) 3146-7405
Entrada franca – a distribuição dos ingressos tem início a partir da abertura da bilheteria, no dia do evento. Podem ser retirados até dois ingressos por pessoa.
Horário de funcionamento da bilheteria: das 13h às 21h.

Lei mais

Encenado por atores portadores de síndrome de down, espetáculo emociona no Teatro do Sesi-SP

Flávia Dias, Agência Indusnet Fiesp

Mais de 400 pessoas acompanharam na noite deste sábado (23/08), no Teatro do Sesi-SP, a apresentação única do espetáculo teatral “A Viagem do Capitão Tornado”. Uma história repleta de paixões, duelos e muita comédia, os 22 atores portadores de síndrome de down do Grupo Adid [Associação para o Desenvolvimento Integral do Down] contagiaram a plateia, com o seu profissionalismo e exemplo de superação.

O ator e protagonista do filme “Os Colegas”, Ariel Goldberg, prestigiou o espetáculo. Sua presença foi muito comemorada pelo elenco, que na semana anterior protagonizara uma campanha na internet, intitulada #vemariel, para levar o ator à estreia da peça. O apresentador Rafael Cortez (ex-CQC) também compareceu.

Com direção de Leonardo Cortez, a peça é uma livre interpretação do romance “Le Capitaine Fracasse” (o Capitão Fracasso), do escritor francês Théophile Gautier, e conta a história de um miserável grupo de teatro que percorre a Europa do século XVIII em busca de novos palcos para suas apresentações. Amores, dores, disputas e aventuras acompanham as viagens desta trupe.

No final do espetáculo, Cortez agradeceu o apoio do Sesi-SP na divulgação do grupo, que já tem duas apresentações programadas para o mês de março, em unidades do Sesi-SP no interior do Estado: “A parceria com o Sesi-SP tem sido ótima para o nosso grupo. Ela nos permite apresentar o espetáculo para públicos diferentes e também divulgar o nosso trabalho”, salientou o diretor do grupo Adid.

Por trás das cortinas

De acordo com Glaucia Libertini, assistente de direção e responsável pelo cenário do espetáculo, os atores participam de ensaios semanais onde são realizadas atividades que estimulam a comunicação. “Eles são atores que já têm uma familiaridade com a linguagem teatral e, até por isso, têm a prática de decorar textos. E, quando cometem erros, têm sensibilidade de improvisar”, analisou Libertini.

Segundo ela, a formação de um ator com síndrome de down dura, em média, um ano e meio: “Os processos são longos para que possamos obter esses resultados”.

Apaixonada pela nova profissão, Ana Beatriz – que interpreta a Sr.ª Giacomelli – garante que continuará investindo na carreira de atriz. “Essa peça foi mais do que um prêmio. Foi um presente que caiu do céu. Eu sempre quis ser atriz e pretendo seguir nesta profissão, pois acho que não tem nada melhor do que aprender a ser atriz do que fazendo teatro”, afirmou.

Opinião compartilhada por sua mãe, Ana Maria Pierre Paiva, que acredita que o trabalho desenvolvido pelo Grupo Adid facilita a comunicação dos atores com a sociedade. “O teatro proporciona uma oportunidade para eles [atores com síndrome de down] se comunicarem. Além de ensinar aos meninos a importância do trabalho em equipe”, avaliou.

A viagem do Capitão Tornado tem apresentação única no Teatro do Sesi-SP

Danusa Etcheverria, Agência Indusnet Fiesp 

O Serviço Social da Indústria (Sesi-SP) apresenta no sábado (23/02), às 21h, a peça A Viagem do Capitão Tornado, dirigida por Leonardo Cortez e encenada por atores com Síndrome de Down do Grupo ADID de Teatro. Após a sessão, gratuita, Leonardo Cortez e o elenco participam de um bate-papo com o público. O espetáculo, que já passou por três cidades do interior do Estado no ano passado, chega à capital pela primeira vez.

A montagem é resultado da parceria entre o Sesi-SP e a Associação para o Desenvolvimento Integral do Down (ADID), instituição fundada em 1989 por pais de crianças com Síndrome de Down.

Livremente inspirada no romance Le Capitaine Fracasse (O Capitão Fracasso), do escritor francês Théophile Gautier, a montagem é ambientada no século 17 e narra à história de um grupo teatral miserável que, em busca de reconhecimento profissional e de novos palcos para suas apresentações, percorre Paris à procura de oportunidade. Juntos, os atores pedem abrigo em um castelo, aparentemente abandonado.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1537308870

A Viagem do Capitão Tornado. Foto: Divulgação


Para surpresa geral, a propriedade pertence ao Barão de Signognac, nobre que serviu a Carlos Magno e cuja dinastia entrou em decadência devido à má administração de seus descendentes.

Os integrantes da companhia descobrem que, apesar de solitário e decadente, o Barão Signognac pode fazer com que eles sejam bem recebidos pela corte de Paris e ajudar a alcançar o tão almejado sucesso.

Apaixonado por Isabelle, uma das atrizes, e entusiasmado com a possibilidade de nova aventura, ele aceita se juntar à trupe. O enredo torna-se ainda mais denso com a entrada do Duque de Vallombreuse, que também se apaixona por Isabelle e tem atitudes questionáveis, travando disputas e despertando dores e amores. Máscaras, música ao vivo, poesia e danças integram o espetáculo, que tem uma carroça como principal elemento do cenário. “A carroça serve de palco, abrigo, hospedagem, camarim. A cada nova cena se transforma. De um lado ela é um quarto, de outro um castelo”, conta Cortez.

O diretor, que trabalha com o Grupo ADID de Teatro há mais de dez anos, destaca que o teatro contribui com o desenvolvimento e aprimoramento pessoal em muitos aspectos – e que com portadores da Síndrome de Down não é diferente. No entanto, ressalta que a experiência de uma montagem como essa é única. “Muitos estão no elenco desde a fundação do grupo. Quem já teve a oportunidade de vê-los em outras peças se surpreenderá com a evolução de cada um”, adianta. E acrescenta: “O resultado é muito surpreendente. Ao mesmo tempo em que o espectador se emociona e se diverte, ele também torce muito pelos atores. Quem assiste a um espetáculo como esse não esquece jamais.”

Serviço
Espetáculo A Viagem do Capitão Tornado
Local: Teatro do Sesi-SP (av. Paulista, 1.313, Metrô Trianon-Masp)
Data e horário: única apresentação no dia 23 de fevereiro (sábado), às 21h
Capacidade: 456 lugares
Gênero: comédia dramática
Duração: 80 minutos
Classificação indicativa: livre
Informações: (11) 3146-7405
Entrada franca – a distribuição dos ingressos tem início a partir da abertura da bilheteria, no dia do evento. Podem ser retirados até dois ingressos por pessoa
Horário de funcionamento da bilheteria: quarta a sábado, das 13h às 21h e domingo, das 13h às 19h30


Leia mais