Ambev quer reduzir consumo de energia em 10% até 2017

Alice Assunção, Agência Indusnet Fiesp

A fabricante de bebidas Ambev recebeu uma menção honrosa da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), durante a 9ª edição do Prêmio Fiesp de Reúso da Água, em março, pelo trabalho desenvolvido nos últimos quatro anos para a redução do consumo de água. A companhia reduziu o índice de consumo de 3,80 para 2,75 litros usados na produção de cada litro de cerveja em sua unidade em Jaguariúna, São Paulo, o que equivale a mais de 1,17 milhão de metros cúbicos.

A companhia ainda pretende, entre outras metas, reduzir a emissão de gases de efeito estufa e o consumo de energia em até 10% até 2017.

Para o gerente de meio ambiente da Ambev em Jaguariúna, Leandro Serra, a bem sucedida redução do consumo é um exemplo “de que como é possível fazer mais com menos”. Segundo ele, a produção de bebidas do local quase dobrou nos últimos cinco anos sem alteração na quantidade de água captada para isso.

Serra recebeu o troféu pela menção honrosa no prêmio da Fiesp do diretor titular do Departamento de Meio Ambiente (DMA) da federação, Nelson Pereira dos Reis.

Reis, à esquerda, e Serra: reconhecimento na 9ª edição do Prêmio Fiesp de Reúso da Água. Foto: Everton Amaro/Fiesp

Reis, à esquerda, e Serra: reconhecimento no Prêmio Fiesp de Reúso da Água. Foto: Everton Amaro/Fiesp

 

Veja abaixo entrevista com Leandro Serra sobre o projeto da empresa e sobre o reconhecimento no prêmio da Fiesp:

A unidade de Jaguariúna, inscrita no prêmio da Fiesp, conseguiu reduzir o consumo de água para 2,89 hectolitros para cada hectolitro de bebida produzido. A meta para 2013 era chegar a 2,75 hectolitros segundo o mesmo parâmetro.  Esse objetivo foi alcançado?

Leandro Serra – Sim! Com muito orgulho fechamos o ano de 2013 com 2,75 litros de água utilizados para cada litro de bebida produzido. Podemos dizer que a nossa unidade é um exemplo de como é possível fazer mais com menos. Nos últimos cinco anos, a produção da fábrica praticamente dobrou e a quantidade de água captada não sofreu alteração. Conseguimos estes resultados graças à eficiência de se encontrar técnicas para consumir menos água na linha operacional.

Que outros resultados a unidade de Jaguariúna alcançou com a redução do consumo de água?

Leandro Serra – O maior benefício é deixar uma maior quantidade de água disponível nas fontes de captação para outros usos. Um dos resultados que conseguimos com as práticas que adotamos é que, ao acompanhar de perto os índices de consumo de água na produção, estabelecemos entre as unidades um benchmark por etapa do processo.  Ou seja, as melhores práticas podem ser multiplicadas entre as fábricas e ainda utilizadas como especificações nas plantas inauguradas ou ampliadas.

Certamente há uma redução no custo de produção com esse consumo menor de água. A Ambev consegue repassar essa redução de custo ao consumidor?

Leandro Serra – Para que consigamos alcançar melhores índices de ecoeficiência, investimos constantemente em pesquisas e equipamentos. Avaliamos que este investimento em processos produtivos sustentáveis é uma prática que traz retorno à empresa, à sociedade e ao meio ambiente.

A Ambev traçou metas ambientais para 2017 e uma delas é reduzir o consumo interno de água para um índice de 3,2 litros de água para cada litro de bebida envasado. Houve alguma mudança nas ambições da empresa?

Leandro Serra – Há mais de 20 anos trabalhamos com o Sistema de Gestão Ambiental (SGA), no qual todas as nossas unidades fabris são incentivadas a monitora e estimular a evolução contínua dos índices de ecoeficiência da companhia. É por meio dele que conseguimos e estabelecemos as metas ambientais e as boas práticas entre as unidades.

Para 2017, continuamos com as mesmas metas anunciadas no Dia Mundial do Meio Ambiente no ano passado. Além do objetivo de alcançar o índice de 3,2 litros de água para cada litro de bebida envasado em todas as unidades da Ambev e do grupo Anheuser Busch InBev, temos também como meta trabalhar em parceria com stakeholders locais para melhorar a gestão da água em regiões-chave de cultivo de cevada; participar junto com parceiros locais de medidas de proteção de mananciais em todos os locais estratégicos onde temos instalações fabris em sete países, incluindo o Brasil; reduzir a emissão de gases de efeito estufa em 10%; reduzir o consumo de energia em 10% e reduzir em 100 mil toneladas os materiais usados para as embalagens.

A companhia tem algum outro projeto específico para a preservação ambiental?

Leandro Serra – Desde 2010, decidimos levar esse empenho em prol do meio ambiente também para fora de nossos muros. Envolvemos a sociedade, por exemplo, na questão do uso racional da água e também da reciclagem. Para isso lançamos o Movimento CYAN e o Ambev Recicla.

O Movimento CYAN já conta com importantes desdobramentos como o Projeto Bacias. A iniciativa é um trabalho de preservação e recuperação de bacias hidrográficas brasileiras. O primeiro local de atuação foi a Bacia Corumbá-Paranoá, no Distrito Federal. Agora o projeto se faz presente aqui em São Paulo, em Jaguariúna, na Bacia dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí. Por meio dele conseguimos engajar a comunidade ribeirinha na luta pela preservação dos rios.

Já o Ambev Recicla contribui para o desenvolvimento de cooperativas modelo em diversos estados do país por meio de melhorias na gestão e doação de equipamentos, além de ter lançado a garrafa PET 100% reciclada.