Quem Somos

O Sindicato da Indústria do Vinho de São Roque (Sindusvinho) nasceu da visão empreendedora de 20 proprietários rurais, que se reuniram na Rua Sete de Setembro, um dia depois do feriado nacional da Independência, em 1936. Em assembléia que fundou o então Sindicato dos Fabricantes de Vinho de São Paulo, foi eleita a primeira diretoria, presidida por Mário Pinto Duarte. A qualidade das terras são-roquenses para o cultivo de uvas mostrava-se apropriada à produção do vinho rascante, que desce “raspando” a garganta, muito parecido com aquele que eles próprios estavam acostumados a fazer na Itália e em Portugal, de onde tinham emigrado.

Apenas quatro meses depois – em 05/01/1937 – já estava afiliado à Federação dos Sindicatos Patronais da Indústria de São Paulo, embrião da Fiesp.

A mudança do nome para Sindicato da Indústria do Vinho se deu em 30/03/1941, para adequar-se ao Decreto Lei 1402, de 05/07/1939, regulador das entidades de classe. A Europa enfrentava a II Guerra Mundial e isso fazia reacender nestes imigrantes o desejo de prosperar no Brasil, numa cidade de clima parecido com o da terra natal e capaz de produzir bom vinho de mesa. Em relação aos conterrâneos europeus, o momento vivido por esses imigrantes devia ser festejado. Por isso, em 1942, São Roque era palco da primeira Festa do Vinho de sua história.

Os dez anos seguintes foram de mudanças na diretoria, conduzindo o Sindicato a um período de recolhimento. O ano de 1952 marca o retorno da Festa do Vinho, que propagaria o produto de São Roque para muito além das fronteiras da cidade. Por 35 anos, as histórias do Sindicato e da Festa do Vinho confundiram-se com a da própria cidade de São Roque. Foi um período de grande impulso ao setor vinícola, embalado pelo aumento da produção e da fama crescente da Festa. Em 1969, cerca de 150 vinicultores dividiam a produção de 8 a 12 milhões de litros de vinho por ano, enquanto a festa recebia visitantes em números crescentes, a cada edição.

Em 1986, a Festa do Vinho atraiu cerca de 100 mil pessoas, três vezes mais do que o total de habitantes, obrigando o Sindicato a interromper a sua continuidade.

A década seguinte foi acompanhada de um movimento de valorização imobiliária, que diminuiu as áreas de cultivo de uva em toda a região. A produção de vinho sofreu perda de competitividade, levando à diminuição da atividade vinícola. Naturalmente, muitas vinícolas fecharam e o Sindicato perdeu associados.

Em 1993, a Prefeitura de São Roque decidiu reeditar uma festa para promover seus principais produtos agrícolas, incluindo a alcachofra e as flores, além do vinho, em um grande evento anual. Mas a retomada da atividade sindical, de modo pro ativo, só aconteceria a partir de 2001, com a eleição de uma diretoria jovem, formada pelos filhos e netos dos pioneiros. Entre eles estava Cláudio Góes, que assumiu a presidência do Sindusvinho três anos depois, para um mandato que vai até 2008.

Nestes 70 anos de existência, passaram pela Presidência do Sindicato vários vinhateiros, destacando a grande participação do Sr. José Dias Baptista, o Nino, que presidiu de 1980 a 2001.

O SindusVinho reúne atualmente 13 associados e uma missão altamente desafiadora: revitalizar o cenário da viti-vinicultura em São Roque, amparado no tripé formado pela pesquisa e adequação de variedades para a produção de vinhos finos, no desenvolvimento das vinícolas locais e atração de novos investimentos, e aposta no enoturismo da região. Para tanto, atua em duas frentes principais: o desenvolvimento do Projeto Pró-Vinho, em parceria com a Fiesp, Secretaria de Agricultura do Estado de São Paulo, por intermédio da APTA (Agência Paulista de Tecnologia Agrícola) e Prefeitura de São Roque, que dará novo impulso à produção de vinhos em todo o Estado; e a renovação da Expo São Roque, dando ao evento um caráter altamente profissional, capaz de transformá-lo num verdadeiro cartão do desenvolvimento econômico e turístico da cidade.