Sindratar-SP fecha convenção coletiva com três Centrais Sindicais

Num ano de muitas mudanças econômicas, políticas e até mesmo sindicais, o Sindratar-SP – Sindicato da Indústria de Refrigeração, Aquecimento e Tratamento de Ar no Estado de São Paulo desenvolveu uma série de atividades, para as empresas que fazem parte do setor.

Muitas foram as ações efetivadas pelo Sindicato, entre elas, e talvez estejam entre as mais importantes, a assinatura de três Convenções Coletivas de Trabalho, com as centrais sindicais: FEM-CUT, Conlutas Intersindical e Força Sindical.

“Face à Reforma Trabalhista, que alterou 106 artigos dos mais de 900, em 2017, nos dedicamos a encontrar um novo posicionamento da entidade junto às empresas representadas. Nossas prioridades também foram as negociações sindicais, pois este tema é extremamente importante para a vida das organizações”, comentou Carlos Trombini, presidente do Sindratar-SP.

De fato, o Sindratar-SP foi bem sucedido nesta missão, entregando o melhor resultado possível para o setor.  Pode-se observar que, pela primeira vez, em muito tempo, os sindicatos laborais e patronais encontraram caminhos comuns para atender ao cenário iniciado com a entrada em vigor da nova Consolidação das Leis do Trabalho.

Um exemplo disto é que há quatro anos a região do Vale do Paraíba não celebrava convenção coletiva. O mesmo aconteceu com Limeira e Região, Campinas e Região, e Baixada Santista, cujas conversações estavam sem acontecer há três anos.

“O Sindratar-SP prepara-se para a nova etapa de diálogo com as entidades laborais. Para tanto, está preparando um cronograma mensal de reuniões, que resultará  no conhecimento mútuo de necessidades”, finalizou Trombini.