Núcleo Moveleiro Paulista

O Núcleo Moveleiro Paulista de Móveis da Região Metropolitana de São Paulo foi criado em 2004 por uma rede de parceiros com o objetivo de reunir um grupo de empresas do segmento moveleiro para o desenvolvimento da cadeia deste setor.

A partir do “Diagnóstico Socioeconômico, Tendências e Potencialidades”, realizado pelo Sebrae-SP em parceria com a prefeitura de São Bernardo do Campo e a Câmara Regional do Grande ABC, foi implantado o programa “Aumento da Competitividade do Setor Moveleiro na Região do ABC”. Com a articulação do Sindicato da Indústria do Mobiliário de São Paulo (Sindimov-SP), do Sindicato da Indústria de Móveis de São Bernardo do Campo e Região (SimABC) e de uma Rede de Parceiros (veja abaixo) foi realizado um diagnóstico detalhado do setor, capaz de orientar as ações que resultariam na consolidação de um espírito associativista.

Este conceito pode ser traduzido através da criação do Núcleo Moveleiro Paulista de Móveis da Região Metropolitana de São Paulo, que conta atualmente com 57 empresas e a gestão de três entidades: Sindimov-SP, SimABC e do Sebrae-SP . Os empresários primeiro passam por um processo de capacitação profissional e treinamento comportamental, com o objetivo de desenvolver um trabalho de forma cooperada. Os resultados deste modelo já surpreendem o mercado, comprovando que a mobilização faz sim a força.Em abril de 2008, uma nova guinada marcou o projeto, com a criação de uma identidade corporativa: a logomarca Movelaria Paulista, com foco na qualidade, prazo de entrega e seriedade. A organização do grupo resultou também na criação dos seis eixos do projeto: Tecnologia (convênio com Sebrae-SP, sindicatos do setor e Fiesp/Senai para o atendimento às empresas que produzem móveis de madeira, estofados e tubulares); Design (parceria entre Sindicatos, o Sebrae-SP, o Centro São Paulo Design e o Senac); Central de Negócios, serviços e rede de negócios; Crédito, financiamento e seguro (articulação como BNDES); Marketing Institucional (fomento de negócios); Comunicação (intercomunicação, fóruns, eventos e outros).

Resultados já alcançados:
– Faturamento (2006): R$ 165.376.426,08 (crescimento de 13,95% se comparado a 2005).
– Número de Empregados:2.034 (diretos) e 6.102* (indiretos).
– Aumento das contratações em 28,65% (450 novos postos de trabalho em relação a 2005).
– Capacitação dos funcionários das empresas, participantes do projeto em Liderança (Chão de Fábrica), com treinamentos realizados por consultores do SENAI Almirante Tamandaré;
– Criação do Conceito de Movelaria Paulista, identidade que permitirá as empresas do projeto vincularem sua imagem a credibilidade, pontualidade e design diferenciado do Núcleo Moveleiro Paulista.
– Desenvolvimento de um Software de Gestão voltado ao segmento moveleiro.

* Estimativa

Mercado
As empresas que compõem o Núcleo Moveleiro Paulista, em sua maioria, possuem bases familiares. Na região metropolitana de São Paulo atuam mais de 2,5 mil movelarias, de diferentes estilos e porte, que respondem por cerca de 15 mil empregos formais, fabricam diferentes tipos de produtos, sendo 60% de móveis residenciais, 25% para escritórios, 15% para clientes institucionais (escolas, restaurantes, hotéis, hospitais, condomínios, entre outros).Outras informações o Núcleo Moveleiro Paulista é o termo que se usa para definir uma aglomeração de empresas com a mesma especialização produtiva e que se localiza em um mesmo espaço geográfico. O Núcleo Moveleiro Paulista mantêm vínculos de articulação, interação, cooperação e aprendizagem entre si, contando também com apoio de instituições locais como Governo, associações empresariais, instituições de crédito, ensino e pesquisa.

Rede de parceiros:
Sindicato da Indústria do Mobiliário de São Paulo (Sindimov-SP), Sindicato da Indústria de Móveis de São Bernardo do Campo e Região (SimABC), Sebrae-SP, Prefeitura de São Bernardo do campo, Consórcio Intermunicipal do Grande ABC, Faculdade de Engenharia Industrial (FEI), Universidade Metodista, Centro São Paulo Design, Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex), Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Senai Almirante Tamandaré, Senac, Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), Ministério da Ciência e Tecnologia e Secretaria de Ciência e Tecnologia do Estado de São Paulo.