Inflação da zona do euro acelera e fundamenta decisão do BCE de reduzir estímulo

A inflação na zona do euro acelerou no mês passado, dando mais fundamentação para a decisão do Banco Central Europeu de reduzir os estímulos, mesmo com o crescimento desacelerando mais do que o previsto.

O aumento dos preços ao consumidor nos 19 países que fazem parte da zona do euro acelerou para 2,2% em outubro, de 2,1% no mês anterior, disse o Eurostat em um relatório preliminar, permanecendo acima da meta do BCE de pouco menos de 2% pelo quinto mês consecutivo.

Tendo adotado um estímulo sem precedentes nos últimos quatro anos, o BCE está agora lentamente retirando o apoio, satisfeito de que a inflação está voltando à meta, mesmo que os preços mais altos do petróleo sejam responsáveis por grande parte do recente aumento.

O índice de inflação excluindo os preços de alimentos e combustíveis subiu para 1,3%, de 1,1% antes, superando ligeiramente as expectativas. Uma medida ainda mais restrita observada por analistas de mercado, que também exclui os preços do álcool e do tabaco, subiu de 0,9% para 1,1%.

Fonte: G1