O empreendedorismo e a Fiesp

Empreendedorismo, propulsor da modernidade

 

O conceito de empreendedorismo nasceu por volta do século XVIII, na França, designando pessoas ousadas que estimulavam o progresso econômico por meio de novas formas de agir e encarar a realidade.

De lá até nossos dias, o termo foi ganhando novas interpretações e agregando significados que ampliavam seu uso. No século XX, alguns dos autores que incrementaram sua definição foram Joseph Schumpeter, Giffonet Pinchot e Robert Hirsch.

Atualmente, o espírito do empreendedorismo pode ser visto e encarado de muitas formas. É inegável que aquele que possui uma atitude criativa e arrojada, que busca inovar, criando novas formas de encarar um problema, propondo soluções e vendo possibilidades além do possível é um empreendedor no sentido estrito da palavra.

No entanto, existem outras formas de empreendedorismo igualmente válidas e valiosas para o mundo competitivo em que vivemos.

Dentre essas formas, podemos destacar o intraempreendedorismo, que se refere àquelas pessoas que empregam sua criatividade e não têm medo de arriscar e dar tudo de si dentro de uma organização. Tais indivíduos são imprescindíveis para que essas organizações cresçam e se desenvolvam, mantendo seus padrões de qualidade e agregando fatores como inovação, surpresa e modernidade aos seus serviços.

Além disso, é necessário destacar que nem sempre é preciso criar uma empresa em um novo ramo ou desenvolver um produto nunca antes apresentado ao mercado para ser um empreendedor. Aqueles que se arriscam em ramos tradicionais e apresentam uma visão além do que é apresentado, dedicando tempo e esforço, arcando com as consequências de suas escolhas, também têm um perfil empreendedor.

A Fiesp, por meio do Comitê de Jovens Empreendedores (CJE), busca encontrar e desenvolver tais talentos, de modo a agregar valor à sociedade com novos empreendedores capazes de desenvolver ainda mais a economia do país, seja com suas próprias empresas, seja atuando em grandes organizações.

Para tanto, o CJE atua em três frentes:

(a) desenvolvendo a inspiração em suas reuniões ordinárias com grandes empreendedores e em seus congressos, nos quais se debatem temas de extrema relevância na atualidade;

(b) trabalhando a ideação em seus seminários temáticos, que abordam temas críticos para o desenvolvimento do empreendedorismo e os projetos dos seus grupos de trabalho;

(c) promovendo a aceleração de novos negócios por meio de investimentos anjos e de cursos, que visam a capacitar cada vez mais o jovem empreendedor.

Em suma, a Fiesp e o CJE entendem que o empreendedor é aquele que aproveita a oportunidade para criar mudanças e é o principal fator promotor dos desenvolvimentos econômico e social de um país, buscando recursos para transformar estas oportunidades em um negócio criativo e lucrativo.

É por isso que acreditamos em cada jovem empreendedor, auxiliando no desenvolvimento de seu potencial, para que ele possa ganhar asas e contribuir para mudanças positivas.