imagem google

Workshop apresenta oportunidades em Furnas na Fiesp

Evento reuniu representantes da empresa na manhã desta quinta-feira (22/03)

Isabela Barros, Agência Indusnet Fiesp

A manhã foi de debates e apresentação de oportunidades. Isso durante o workshop “Energia: Prospecção de parceiros para projetos de pesquisa, desenvolvimento e inovação para o setor de energia elétrica, com vistas à cadeia produtiva do álcool”, realizado na manhã desta quinta-feira (22/03), na sede da Fiesp, em São Paulo. O evento foi organizado pelo Departamento de Infraestrutura (Deinfra) da federação, sendo coordenado pelo diretor de Novos Negócios de Furnas, Claudio Semprine.

Superintendente de Novos Negócios de Furnas, Cristiane Wandelli explicou que a empresa trabalha com geração, transmissão e comercialização de energia. Fundada em 1957, a empresa opera com “uma Furnas fora de Furnas” com as sociedades de propósito específico, gerando de mais de 11 mil megawatts apenas por meio desse canal.

“Temos um link em nosso site para chamadas públicas”, disse Cristiane. “Qualquer empresa pode se inscrever, temos um cadastro para seleção de empresas nos nossos leilões”.

Atualmente, esse cadastro tem 96 investidores e 80 empreendimentos registrados.

Também funcionário de Furnas, o gerente de Pesquisa e Desenvolvimento Nelson Araujo dos Santos, explicou que as chamadas públicas e o “funil de inovação” da empresa “estão sempre abertos”.

“Depois da seleção do projeto, indicamos uma equipe para fazer o acompanhamento, incluindo gestão de marcas e patentes”, disse Santos. “Lembrando que as patentes, nesse caso, ficam em Furnas, pertencem à empresa”.

Segundo o gerente, o objetivo é gerar novos negócios. “Não à toa, a gerência de Pesquisa e Desenvolvimento fica dentro da diretoria de Novos Negócios”.

Nas chamadas públicas de pesquisa e desenvolvimento de Furnas, já é apresentado o modelo de contrato. “As pessoas já sabem quais são as regras do jogo nas chamadas”.

De acordo com Santos, depois da análise técnica é que vem a preocupação com “a análise orçamentária”. “Além dos aspectos técnicos, pedimos a proposição de uma ação socioambiental, a proposta tem que ser sustentável”.

Também é solicitada a publicação de livros e artigos, como “obrigação para disseminação do conhecimento e divulgação dos resultados”.

Hoje, conforme Santos, há 20 pedidos de patente em vigor em Furnas.

Entre os projetos em fase final da Cadeia de Inovação da empresa estão o desenvolvimento e testes de ônibus híbridos e 100% elétricos, o desenvolvimento e testes de embarcações híbridas e o desenvolvimento de reator termoquímico para geração de energia através de resíduos sólidos urbanos.

O ônibus urbano com tração elétrica, híbrido a hidrogênio, foi apresentado na Fiesp, após a reunião.

“Não queremos apenas cumprir a nossa obrigação legal, mas desenvolver novos produtos, alcançar um diferencial competitivo para Furnas”, afirmou.

Fechando o evento, o gerente de Serviços  Tecnológicos de Furnas, Renato Guimarães, apresentou o trabalho do Centro tecnológico em Engenharia Civil da empresa em Aparecida de Goiânia, Goiás.

“Temos participação em mais de 200 empreendimentos em quatro continentes”, disse.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1544659150

O workshop com a participação dos executivos de Furnas na Fiesp: oportunidades. Foto: Helcio Nagamine/Fiesp