imagem google

Vice-presidente da Fiesp aponta necessidade de ver o Brasil com mais otimismo

Benjamin Steinbruch fez um convite aos cidadãos em seu texto no jornal Folha de São Paulo nesta terça-feira (11/02)

Agência Indusnet Fiesp

O  vice-presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Benjamin Steinbruch, destacou  a necessidade de ver o “copo cheio” em seu artigo desta terça-feira (11/02)  no jornal Folha de S. Paulo.

No texto “O Copo”, Steinbruch lembra a recente “aula de bom senso” da empresária Luiza Trajano que, “acusada em programa de televisão de ser otimista demais em relação ao Brasil” afirmou que “nós, brasileiros temos o hábito de olhar sempre a parte vazia do copo e nunca a cheia”.

Segundo o vice-presidente da Fiesp, não há como negar os fatos, “mas eles não obrigam o brasileiro a se engajar no coro catastrofista espalhado pelos mercados financeiros”.

Ou ainda: “Ao olhar com cuidado a outra parte do copo, a cheia, verá que o país teve uma taxa média de desemprego bastante baixa em 2013, de 5,4% da população economicamente ativa -na zona do euro, a taxa foi 12%. Em dezembro, esse indicador estava em 4,6%, um dos mais baixos do mundo. Ou seja, apesar do lento crescimento, o país está longe de uma crise de emprego como a verificada na Europa”.

Nessa linha, Steinbruch conclui que “o tumulto no mercado internacional vai continuar e não dá para saber até quando”. E faz um convite aos cidadãos: “O que não se pode admitir é que os próprios brasileiros ajudem a propagandear só o retrato da parte vazia do copo. Bons brasileiros devem retratar e divulgar também a parte cheia”.

Para ler o artigo na íntegra, só clicar aqui (sujeito a paywall).