‘Temos que preparar as pessoas para se adaptar a essa nova realidade’, diz Skaf na abertura do I Congresso de Educação, Tecnologia e Conhecimento do Sesi-SP

Presidente da Fiesp e do Sesi-SP destacou o trabalho da indústria paulista na área

Isabela Barros, Agência Indusnet Fiesp

“As crianças querem ir para a escola. Quando se oferece infraestrutura de ensino, os alunos aprendem”. Foi assim, com um convite à evolução, que o presidente da Fiesp, do Sesi-SP, do Senai-SP e do Sebrae-SP, Paulo Skaf, deu as boas-vindas no I Congresso de Educação, Tecnologia e Conhecimento do Sesi-SP. O evento, aberto na manhã desta segunda-feira (23/04), no Teatro do Sesi-SP, na sede da Fiesp, em São Paulo, segue até amanhã.

“Os professores são pessoas especiais, desprendidas de egoísmo”, disse Skaf.  “Se realizam ao passar conhecimento”.

Segundo ele, o momento é de grandes transformações. “Temos certeza de que haverá grandes mudanças: setores vão deixar de existir, mas outros vão nascer”, afirmou. “Temos que preparar as pessoas para se adaptar a essa nova realidade, oferecer uma escola de qualidade”, disse. “A indústria de São Paulo colocou isso como prioridade”.

Nesse contexto, “não ter escola pública de qualidade é condenar uma geração ao insucesso”. “Escola bonita não resolve a educação, nós oferecemos o projeto completo e isso envolve salas de aula, laboratórios, esporte, cultura e boa alimentação”, disse. “Gostamos que as pessoas fiquem atentas, que nunca se acomodem, isso alonga a vida”.

Para finalizar a sua participação, Skaf pediu aplausos a todos os educadores brasileiros. E convidou para subir no palco o palestrante seguinte: João Paulo Guerra Barreira, de oito anos. Escritor, ele foi eleito, em 2017, o brasileiro do ano pela revista Istoé na categoria Educação. E vai representar o Sesi-SP e o Brasil em junho, numa reunião da ONU sobre o tema, em Nova Iorque. Os livros de Barreira estão nas bibliotecas das escolas da indústria paulista.

O menino escreveu seu primeiro livro aos seis anos: O mundo da lua e dos planetas. Sua obra mais recente é Morando no espaço. “A minha missão é fazer as crianças gostarem de ler e estudar”, disse.

Em inglês, fez a sua apresentação. Disse que sempre foi curioso, especialmente com letras e números. E contou a sua trajetória para a plateia. “Agradeço ao Paulo Skaf pela oportunidade”, disse. “Eu luto por um mundo sustentável, nós somos o futuro”.

Skaf e Barreira: investimento da indústria em educação, em nome do futuro. Foto: Helcio Nagamine/Fiesp

Também presente à cerimônia de abertura do congresso, o superintendente do Sesi-SP e diretor regional do Senai-SP, Walter Vicioni, agradeceu o empenho dos organizadores e conferencistas. Além do apoio de Paulo Skaf.

“Não podemos perder a noção do aprender fazendo”, disse. “Precisamos disponibilizar lições concretas e importantes para a educação do nosso século”.

Por isso o empenho no lançamento do livro Lições Finlandesas, de Pasi Sahlberg, no Brasil. “Colocamos o nosso aluno no centro da nossa proposta educacional, há uma coerência na nossa ação”, afirmou. “Que possamos sair daqui enriquecidos, mas de novas ideias para colocar em prática”, disse. “Precisamos fazer e fazer. Vamos ser ousados, há muita genialidade na ousadia”.