imagem google

Steinbruch: ‘Brasil precisa de uma política econômica que promova o crescimento’

Nota oficial

O Comitê de Política Monetária  (Copom) do Banco Central (BC) divulgou nesta quarta-feira (16/07) a manutenção da taxa básica de juros, a taxa Selic, em 11% a.a.

Para Benjamin Steinbruch, presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), a manutenção da taxa Selic nesse patamar mantém o risco da economia brasileira, que ingressa na recessão.

Um amplo conjunto de indicadores mostra que a atividade está fraca na maioria dos setores. A produção industrial no segundo trimestre será, muito provavelmente, o quarto trimestre consecutivo de queda, configurando um quadro recessivo na indústria de transformação. Nos demais setores, como o de comércio e serviços, indicadores mostram que o pessimismo e a morna atividade prevalecem.

“A confiança do empresariado não é uma simples questão de humor. Sua base é formada no crescimento das vendas, capacidade de produção, desempenho do mercado. Quando a demanda enfraquece e não se vê possibilidade de reversão no curto prazo, a confiança diminui e o investimento se retrai”, afirma Steinbruch.

“É preciso reduzir a taxa de juros para estimular a demanda da economia, os investimentos produtivos e recolocar o país na rota do otimismo. O Brasil precisa de uma política econômica que promova o crescimento, crie rendas e gere empregos”, conclui o presidente da Fiesp.

Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp)

>> Ciesp: manutenção da Selic em 11% a.a. enfraquece a economia e derruba ainda mais a produtividade