imagem google

Sondagem da Construção mostra sinais de expansão em janeiro

Indicadores de Expectativas também são positivos

Agência Indusnet Fiesp

Após registrar 40,3 pontos em dezembro de 2017, o nível de atividade do setor de construção paulista voltou a sinalizar expansão ao avançar na passagem mensal e atingir 52,2 pontos no primeiro mês de 2018. Na comparação interanual, o avanço foi ainda maior: em janeiro de 2017, o indicador registrou 36,0 pontos.

Os dados são da Sondagem da Construção do Estado de São Paulo, levantamento feito pela CNI e pela Fiesp, com o apoio da Câmara Brasileira da Indústria da Construção e do Sindicato da Indústria da Construção Pesada do Estado de São Paulo. O resultado foi divulgado nesta quinta-feira (1º de março).

O indicador número de empregados, quando comparado ao mês anterior, também avançou, saindo de 43,4 para 49,7 pontos em janeiro – um patamar bastante próximo do indicativo de expansão. O mesmo ocorreu com a Utilização da Capacidade de Operação (UCO), que passou de 55,0% em dezembro para 60% em janeiro.

Em termos interanuais, houve avanço para os dois indicadores: em janeiro de 2017, o número de empregados comparado ao mês anterior registrava 36,3 pontos, enquanto a Utilização da Capacidade de Operação (UCO) estava em 43,0%.

O Nível de atividade em relação ao usual, embora ainda bem abaixo da linha dos 50,0 pontos, também teve alta expressiva na passagem mensal, indo de 30,4 para 35,4 pontos nesta leitura – um patamar bem acima também do observado em igual período de 2017 (25,8 pontos).

O indicador de Expectativas para o nível de atividade para os próximos seis meses, que havia registrado 51,8 pontos em dezembro, voltou a subir. Acima da linha dos 50,0 pontos, ele continua a sinalizar otimismo em relação ao futuro. A variável de Empregados também avançou de maneira expressiva na passagem mensal, de 45,7 para 50,0 pontos, e sinaliza igualmente otimismo do setor. O mesmo ocorreu com os indicadores de Compras de matérias-primas e Novos Empreendimentos e Serviços, que ao passarem de 46,8 e 48,0 pontos para 54,5 e 54,3 pontos, respectivamente, não só registraram suas maiores pontuações em anos como também sinalizaram otimismo no setor de construção paulista. Apesar de também ter apresentado crescimento entre dezembro e janeiro (de 28,7 para 33,7 pontos), o indicador de Investimentos é o único indicador de expectativas que continua a sinalizar pessimismo no setor.