imagem google
Início do conteúdo

Sesi-SP vence primeiro set, mas sofre a virada na final da Superliga

Com derrota para o Sada Cruzeiro, por 3 sets a 1, time da indústria fica com o vice-campeonato

Lucas Dantas, Agência Indusnet Fiesp

Imagem relacionada a matéria - Id: 1537652209

Equipe vice-campeã da Superliga Masculina de Vôlei 2014-2015 acompanhada do presidente do Sesi-SP, Paulo Skaf. Foto: Everton Amaro/Fiesp

O time de vôlei masculino do Serviço Social da Indústria de São Paulo (Sesi-SP) ficou com o vice-campeonato da Superliga Masculina 2014-2015, neste domingo (12/4), ao ser derrotado pelo Sada Cruzeiro na final por 3 sets a 1 (21/25, 25/19, 27/25 e 25/19), no Ginásio do Mineirinho, em Belo Horizonte. Foi a terceira final do Sesi-SP, campeão em 2011, em sua primeira decisão. Com 20 pontos, Theo foi o principal pontuador da partida. Ao final, Riad recebeu o prêmio de melhor bloqueador da Superliga, única premiação individual conquistada pelo Sesi-SP na temporada.

O Sesi-SP começou bem a partida. Escalado com Marcelinho, Théo, Murilo, Lucarelli, Riad, Lucão e o líbero Serginho, o time imprimiu um ritmo que pressionou o Cruzeiro e calou o ginásio. Lucão e Riad bloqueavam praticamente tudo, enquanto Murilo e Serginho defendiam bem as bolas, anulando o saque cruzeirense. Theo era a principal opção ofensiva do time paulista e correspondeu. O técnico Marcos Pacheco sequer precisou pedir tempo e viu sua equipe dominar até fechar com Lucão em 25/21.

Mas, a partir do segundo set, a máquina emperrou e o time da casa cresceu. Leal e Wallace passaram a virar todas as bolas que recebiam, enquanto William distribuía o jogo à vontade. Do lado do Sesi-SP, os erros de saque apareceram mais do que o costume, dando pontos de graça para os rivais. E foi Leal, o destaque da partida, que fechou em 25/19, empatando a final.

O Sesi-SP teve o terceiro set na mão e poderia ter definido o rumo da final. Mas como diz Pacheco, “voleibol é feito de oportunidades”. E com o domínio completo na etapa, tudo parecia convergir para mais uma vitória, principalmente quando o time abriu 24/21 diante de um descrente ginásio com mais de 20 mil pessoas. Porém, Lucão atacou três vezes no bloqueio mineiro e Lucarelli jogou para fora o ponto final, dando o set para o Cruzeiro em 27/25.

Abalados, os jogadores do Sesi-SP de possíveis protagonistas passaram a ser coadjuvantes no quarto set, enquanto o Cruzeiro dominava. Tudo dava certo para o time da casa, que foi ampliando a vantagem em proporção de 3 pontos para cada um dos visitantes, até fechar com Winters em 25/19 e ficar com o título.