imagem google

Sesi-SP premia melhores criações de moda e sustentabilidade

A estilista Marcela Pankowsk foi a ganhadora do concurso “Sesi-SP cria moda sustentável”

Ariett Gouveia, Agência Indusnet Fiesp

Trazendo o conceito de slow fashion, o Serviço Social da Indústria de São Paulo (Sesi-SP) realizou nesta quarta-feira (18/12) o evento de premiação do concurso “Sesi-SP cria moda sustentável”, no Espaço Fiesp, em São Paulo. A 1ª colocada foi a estilista Marcela Pankowsk, da Faculdade Santa Marcelina. Ela recebeu um troféu, um manequim para modelagem Draft, uma máquina de costura doméstica Janome 3160QDC, um kit e um livro de costura e moda.

“Eu queria construir uma marca atemporal e que tivesse algo mais a acrescentar para o meu consumidor. Trabalhava no mercado da moda, mas não me sentia feliz. Por isso fui buscar algo diferente e decidi seguir o caminho da moda sustentável”, contou a vencedora, que criou uma peça modular (que permite usos diferentes) com tecido 100% reciclado.

A segunda colocada foi Fernanda Locatelli Tubak, da Faculdade Paulista de Artes, e a 3ª, Andrezza Bandeira, das Faculdades Metropolitanas Unidas. Ambas receberam troféus, máquinas de costura (Janome 2030QDC para a 2ª e Janome 2008 para a 3ª), kit e livro de costura e moda.

Os 19 estilistas selecionados apresentaram suas criações em um desfile, mostrando as peças que confeccionaram utilizando processos e tecidos renováveis e/ou sustentáveis. Não foi permitido o uso de materiais “alternativos” como sacos plásticos e garrafas pet.

Neste ano, o concurso trouxe o conceito de slow fashion, que tem como premissa a criação de peças feitas sob medida, perene, de qualidade, significativa e extensiva ao usuário.

O júri do concurso foi formado pela pesquisadora de tendências de consumo, designer e professora de moda, Letícia Diniz; o professor do Senai-SP nas áreas têxtil e moda, Odair Tuono; a presidente do Instituto Ecotece – Centro de Estudos e Desenvolvimento de Práticas do Vestir Consciente, Lía Spínola; e a ex-modelo, estilista e uma das grandes defensoras da moda sustentável, Chiara Gadaleta.

Para selecionar os vencedores,  os jurados consideraram critérios como adequação ao tema, originalidade, criatividade, reaproveitamento de materiais e qualidade do produto final.



Nova era da moda

Antes do desfile e da premiação, Chiara Gadaleta fez uma apresentação sobre o tema “Eco Era: unindo estilo e sustentabilidade”. Ela falou sobre como os movimentos sociais influenciam a moda e também como a moda pode impactar na sociedade.

“Temos que cuidar do hoje da melhor forma possível, sem esquecer o amanhã, pensando no que vamos deixar para as próximas gerações. É exatamente aí que a moda entra, já que ela tem um grande potencial de viralizar uma mensagem com muita rapidez. Por isso temos que nos unir para trabalhar de forma sustentável.”

Para Chiara, todos que consomem moda podem ter ações sustentáveis. “É preciso se questionar sobre o consumo, apoiar marcas conscientes e responsáveis e buscar sempre soluções sustentáveis, sem deixar de lado seu estilo.”