imagem google
Início do conteúdo

Senai Mix Design: Bem-vindos ao outono-inverno 2016

Projeto apresenta tendências para a próxima temporada de frio nos setores de vestuário, calçados, botas, joias folheadas e bijuterias

Isabela Barros

Bem-vindos ao outono-inverno de 2016. Entre os designers e especialistas em moda do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial de São Paulo (Senai-SP), a temporada de frio do próximo ano já inspira tendências variadas, referências a serem trabalhadas pela indústria para chegar às vitrines mais adiante. Assim, para ajudar quem produz, a instituição lançou, nos dias 01 e 02 de julho, o projeto Senai Mix Design. A iniciativa incluiu palestras, apresentações de empresas, oficina e o lançamento da publicação Direções Criativas para o Outono-Inverno 2016.

O Senai Mix Design divulga informações de moda e tendências de comportamento e consumo para os setores de vestuário, calçados, botas, joias folheadas e bijuterias. Para levantar esses dados, foram realizadas visitas a feiras internacionais, análise de relatórios de agências especializadas e monitoramento de jornais, sites e revistas, entre outros meios de comunicação.

De acordo com a designer e consultora Andressa Campideli, da Escola Senai “Francisco Matarazzo”, no Brás, na capital paulista, o tema central das referências para a próxima temporada de frio é “paradoxos”. Já as chamadas direções criativas, ou seja, as tendências em si, são divididas em três grupos: “medo encantado”, “ficção realista” e “coletivo particular”.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1537890613

Oficina do Senai Mix Design em São Paulo: tendências para orientar a indústria. Foto: Divulgação


O “medo encantado” envolve peças românticas, leves, mas com um certo ar sombrio. Como isso pode virar realidade nas lojas? A partir de roupas com bordados ou padronagens florais, mas com fundo escuro, por exemplo. E, conforme Andressa, “uma certa dramaticidade”. “Teremos muitas pregas, laços, golas altas. Tudo com um toque vitoriano”, explica. Entre as cores de referências estão nude, vinho e azul escuro.

Já a “ficção realista” une “tecnologia e tradição”. “A androginia é chave para entender o que vai fazer sucesso no próximo outono-inverno”, diz Andressa. “As roupas vão além dos gêneros, com peças de alfaiataria para mulheres”, afirma. “O toque feminino fica por conta de um cinto, um detalhe, por exemplo”. Cores para esse grupo de tendências? Azul mais claro, cinza e verde intenso, entre outras.

Fechando as direções criativas, o “coletivo particular” discute a noção do “coletivo que fortalece o individual”. “Aqui entra em cena a liberdade de expressão nas roupas”, diz Andressa. “E isso com muita influência dos anos 1960 e 1970, com experimentações estéticas”. Nesse item, as cores predominantes são aquelas mais vivas, como verde e coral.

Segundo Andressa, empresários do setor têxtil podem se inspirar nas três direções criativas e suas características para pensar no que produzir. “Uma boa dica é pensar num balanço dessas três referências, avaliar com quais dela as marcas mais vão se identificar”, afirma.

Quer saber mais? Essas e outras informações estão disponíveis no caderno produzido pelo Senai Mix Design, que pode ser adquirido no site do projeto: http://mixdesign.sp.senai.br

Além disso, é possível conferir, no portal, quando a iniciativa chegará a outras cidades do estado de São Paulo. Estão previstas palestras em Americana, Limeira, Franca e Jaú.