imagem google

Seminário debate oportunidades para os imigrantes na Fiesp

Evento na manhã desta sexta-feira (20/07) destacou trabalho com os venezuelanos em situação de refúgio no Brasil

Isabela Barros, Agência Indusnet Fiesp

Acolher, tendo em mente que o país tem muito a ganhar com a chegada dos imigrantes. Esse foi o principal mote do Seminário Nova Lei de Migração: uma janela de oportunidades, realizado na manhã desta sexta-feira (20/07), na sede da Fiesp, em São Paulo. O evento reuniu especialistas no tema, tendo a participação da diretora titular de Responsabilidade Social e vice-presidente do Conselho Superior de Responsabilidade Social da federação, Grácia Fragalá.

O Pacto Global foi um parceiro da Fiesp na realização do seminário. O Pacto tem por objetivo de mobilizar a comunidade empresarial internacional para a adoção, em seus negócios, de valores internacionalmente aceitos nas áreas de direitos humanos, relações de trabalho, meio ambiente e combate à corrupção. 

“Vários levantamentos mostram a importância de receber os refugiados, destacando como isso é benéfico para os países que abrem as suas portas”, afirmou. “A vinda dos imigrantes traz diversidade e oxigena a economia, estamos falando de acolher seres humanos”, disse.

Para Grácia, ter um imigrante no quadro de funcionários é “proporcionar intercâmbio internacional pela convivência e pela aprendizagem”. “Vamos ajudar em campanhas educativas sobre a lei para diminuir a resistência em torno do tema”, disse. “Somar esforços para um cenário que é realidade hoje no país”.

Também presente na abertura, a chefe do escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados, Maria Beatriz Nogueira, afirmou que existem mais de 68 milhões de pessoas em situação de deslocamento involuntário no mundo, dos quais 25 milhões de refugiados. “Estamos falando de uma situação de urgência”, disse. “É uma necessidade e uma característica do Brasil receber quem vem de fora”.

Segundo ela, mais de 1,5 milhão de venezuelanos já saíram de seu país, a maioria para a América do Sul e América Central. Desses, 50 mil vieram para o Brasil. “Muitas razões fazem as pessoas saírem”, explicou. “O governo brasileiro tem foco na abertura de fronteiras e na acolhida humanitária”, disse. “Com o direito de trabalhar e usar serviços públicos”.

Questão de estratégia

“É estratégico que os imigrantes sejam integrados à sociedade”, disse.  “Trabalhamos para dar mais visibilidade a essas boas experiências, estamos estudando criar uma plataforma para divulgar as ações das empresas que vivem esse trabalho de inclusão”.

Analista de Paz e Governança do Programa das Nações Unidas para o desenvolvimento da PNUD, Ana Cristina Silva Barroso destacou o trabalho feito com os venezuelanos no norte do país, visando a inserção social e o emprego. “É fundamental que fechemos parcerias para ajudar essas pessoas”, disse.

Subchefe de Articulação e Monitoramento da Casa Civil/Presidência da República, Natália Marcassa de Souza lembrou que os venezuelanos começaram a chegar ao Brasil no final de 2016.

“Eles vão principalmente para Boa Vista, capital de Roraima, já são 10 mil venezuelanos lá”, disse.

De acordo com Natália, com a chamada Operação Acolhida, o governo decidiu federalizar e centralizar as iniciativas ligadas aos imigrantes. “Os imigrantes querem dignidade e oportunidade de trabalhar, não caridade”, explicou. “A interiorização é o caminho, levar para outras cidades, sempre buscando sensibilizar as empresas, buscando parceiros”.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1540011746

O seminário: acolher os imigrantes é opção estratégica para os países. Foto: Helcio Nagamine/Fiesp