imagem google
Início do conteúdo

Resiliência, competitividade e empreendedorismo no último painel do MPI 2014

Casos de sucesso e experiências pessoais foram expostas pelos palestrantes na tarde desta segunda-feira (26/05), no Hotel Renaissance

Amanda Viana, Agência Indusnet Fiesp

No último painel do 9º Congresso da Micro e Pequena Indústria (MPI), organizado pelo Departamento da Micro, Pequena e Média Indústria (Dempi) da Federação e do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp e Ciesp) na tarde desta segunda-feira (26/05), foram apresentados casos de sucesso e experiências empresariais de ganhos em produtividade. O evento foi realizado no Hotel Renaissance, em São Paulo.

Humberto Salvador Afonso, dono da Alibra Alimentos, contou sua história profissional, recheada de resiliência e força de vontade. Atualmente, ele é sócio proprietário de 11 unidades de negócios, dez delas voltadas para os segmentos alimentícios e de bebidas. Filho de pais portugueses e comerciantes, Afonso afirmou que sempre quis ter um negócio próprio. Por isso, cursou Engenharia de Alimentos na Unicamp, em Campinas, e se especializou em finanças pela Faculdade Getúlio Vargas (FGV), já pensando em empreender no futuro.

Afonso trabalhou em grandes empresas, inclusive na área comercial e de vendas.  Ao abrir sua pequena empresa e elaborar planos de negócio, o empresário encontrou muitas dificuldades. “Com problemas em ingredientes dos produtos, precisamos recuperar não só a parte financeira, como também nossa credibilidade com os clientes”, contou.

Na década de 90, Afonso sofreu com a inflação descontrolada, com a ineficiência de gestão e com pouco capital de giro. Ao se recuperar dessa crise, com o crescimento de seu negócio, vendeu sua empresa para uma multinacional estrangeira e assumiu o cargo de diretor executivo. “Essa mudança foi um incentivo e um reforço para minha vocação empreendedora”. A partir dos anos 2000, Afonso fundou a Alibra, e hoje o grupo emprega cerca de 900 funcionários, com previsão de faturamento para este ano de R$ 350 milhões.

Para Afonso, o que faz a diferença nos negócios em busca de crescimento é o tripé vendas, inovação e produtividade. “Produtividade é a expressão da eficiência em qualquer negócio. E, infelizmente, a produtividade do Brasil não avançou praticamente nada em 50 anos”, afirmou.

Como um todo

Para obter sucesso nos negócios, ou recuperar empresas de possíveis crises, a empresária e diretora do Dempi na Fiesp, Beatriz Cricci afirmou que é preciso mapear pontos principais de vendas e investir em cursos que beneficiem os funcionários e os negócios como um todo. “Existem muitos recursos para explorar”, disse. De acordo com ela, sempre existem chances de mudanças e é possível, sim, se recuperar das dificuldades sofridas, que são muito comuns no meio empreendedor.

Beatriz: sempre há possibilidades de mudança. Foto: Everton Amaro/Fiesp

Beatriz: sempre há possibilidades de mudança. Foto: Everton Amaro/Fiesp

Manoel Canosa Miguez, diretor do Departamento de Competitividade e Tecnologia (Decomtec), falou sobre empreendedorismo, oportunidades, inovação, competitividade e associações familiares.  O palestrante narrou suas experiências no mundo dos negócios e deu dicas para a solução de problemas. Para Miguez, existem defesas comerciais para situações nas quais existe concorrência desleal, por exemplo. “Às vezes falta conhecimento. É preciso sair um pouco do chão de fábrica e ir atrás do conhecimento”, afirmou.

Miguez: em busca do conhecimento. Foto: Everton Amaro/Fiesp

Miguez: em busca do conhecimento. Foto: Everton Amaro/Fiesp

Miguez afirmou que fontes de informação, diagnóstico e planejamento são pilares fundamentais para uma boa estrutura nos negócios. “São pequenas coisas que conseguem colocar uma empresa de volta ao mercado”, disse. Produtos de inovação, tecnologia, conhecimento e pesquisa também são fatores importantes. “Precisamos acreditar mais em nosso produto e acreditar no que fazemos”, concluiu Miguez.