Provedores regionais discutem disseminação da banda larga no país

Participantes do mercado falam sobre a universalização de serviços do setor

Mayara Baggio, Agência Indusnet Fiesp

A remoção de barreiras ao investimento, o incentivo à competição e o aumento da demanda via setor público foram alguns dos temas de destaque do workshop de Telecomunicações promovido pelo Departamento de Infraestrutura (Deinfra) da Fiesp nesta quarta-feira (28).

Na análise do diretor de Telecomunicações do Deinfra, João Moura, os próprios órgãos públicos não cumprem seus regulamentos, o que obriga que as operadoras tenham gastos judiciais. “Além da carga tributária ser elevada, essa cobrança mina o desenvolvimento de novos serviços, principalmente os de maior valor agregado”, criticou.

Para o conselheiro da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), Aníbal Diniz, é importante que haja a compreensão de que o setor de telecomunicações é transversal e fundamental para a alavancagem da economia do Brasil.

Pequenos provedores

Segundo ele, apenas os impostos pagos pela indústria em questão somam cerca de R$ 60 bilhões por ano. Diniz detalhou ainda que os pequenos provedores do mercado têm ganhado espaço, com serviços e atendimento customizados. Diniz contou que a Anatel trabalha pela universalização dos serviços, com atenção especial para banda larga, hoje determinante na cultura da família brasileira.

O gerente do Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação (Cetic.br), Alexandre Fernandes Barbosa, acredita que os provedores menores têm como oportunidade imediata o atendimento do mercado domiciliar, estabelecimentos de saúde, escolas e governos, com destaque para as regiões Sul e Sudeste do país.

Da Associação Brasileira de Empresas de Soluções de Telecomunicações e Informática (Abeprest), o diretor-presidente Luís Fernando Duarte explicou que poucos países têm a dimensão e a complexidade que o Brasil possui para a disseminação do serviço de banda larga. “As aplicações de alcance dos serviços melhoraram muito, mas a demanda deverá aumentar ainda mais nos próximos anos”, disse.

Finalmente, o presidente da diretoria da Associação Brasileira de Provedores de Internet e Telecomunicações (Abrint), Basílio Perez, detalhou a dinâmica de funcionamento dos provedores regionais.