imagem google
Início do conteúdo

Produtores devem enfrentar ‘situação caótica’ para escoar produção de soja

Para André Pessoa, volume de carga pronta de soja até o final de fevereiro vai ser maior que o registrado no ano passado

Alice Assunção, Agência Indusnet Fiesp

Imagem relacionada a matéria - Id: 1537350957

André Pessoa: escoamento da produção não será tranquilo. Foto: Tâmna Waqued/Fiesp

De acordo com projeções da consultoria agrícola Agroconsult, o Brasil deve colher pelo segundo ano consecutivo o maior volume de soja de sua história, ao menos 91,6 milhões de toneladas, o que significa um aumento de 11% em comparação com a safra 2012/13, quase 10 milhões de toneladas a mais.

Segundo o diretor da Agroconsult, André Pessoa, a maior parte da produção adicional de soja este ano com relação à passada deve ser colhida até o final de fevereiro de 2014. Com o volume maior, surge um problema também maior para ser administrado: o escoamento da produção.

“Talvez a eficiência de administração do problema possa ter aumentado. Agora achar que nós vamos ter uma safra tranquila, sem fila de navios esperando no porto para embarcar, em relação a isso, não tenho nenhuma dúvida que vamos ter situação caótica de novo”, alertou Pessoa na manhã desta terça-feira (14/01), durante o lançamento da edição de 2014 do “Rally da Safra”, organizado pela consultoria.

A Agroconsult estima que 42% da soja no Brasil deverá estar em condições de ser colhida até o final de fevereiro. “Tudo que vai crescer – dos mais de 82 milhões de toneladas do ano passado para a safra desse ano – está concentrado nesse período”.

De acordo com a consultoria, a área plantada para soja deve crescer 7% com relação a passada e alcançar 29,7 milhões de toneladas.

“Não compartilho da ideia que vamos ter uma situação tranquila de escoamento da soja até porque o problema vai começar na região de produção”, afirmou Pessoa. “O volume de soja que nós temos para colher até o final de fevereiro é quase de 10 milhões de toneladas a mais na produção concentrado nesse período de fevereiro”, completou.

“[O problema] vai começar pela capacidade de beneficiamento e armazenagem. E uma hora tem que tirar essa soja dos armazéns e vai mandar para onde? Para o porto”, finalizou.