imagem google

Presidente da Fiesp recebe participantes de torneio de lançamento de foguetes

Entidade reitera apoio à participação do projeto na edição 2015 do Intercollegiate Rocket Engineering Competition, nos EUA

Juan Saavedra, Agência Indusnet Fiesp

O presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Benjamin Steinbruch, recebeu, na tarde desta sexta-feira (15/08), um grupo de alunos do Instituto Tecnológico da Aeronáutica (ITA) que, com o apoio da entidade, participaram, entre os dias 25 e 29 de junho, do Intercollegiate Rocket Engineering Competition (Irec), competição internacional de criação de foguetes realizada em Green River, cidade do estado de Utah, nos Estados Unidos.

Na ocasião, depois de ouvir uma exposição dos alunos sobre a participação brasileira e assistir a um vídeo que registrou o exato lançamento do foguete, Steinbruch disse que a Fiesp vai apoiar o desenvolvimento de um novo projeto em 2015, recomendando uma parceria com a unidade do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial de São Paulo (Senai-SP) em São José dos Campos, especializada em aeronáutica.

Outra sugestão do presidente da Fiesp é o envolvimento da Embraer no projeto. “A única coisa é que vamos ter que ganhar”, brincou Steinbruch, que incubiu o  diretor titular do Comitê de Jovens Empreendedores (CJE) da Fiesp, Sylvio Gomide, de cuidar dessa articulação.

ITA-Fiesp

No encontro, os jovens explicaram como foi a participação do ITA-Fiesp (nome dado ao foguete brasileiro) na disputa que reúne estudantes da área de engenharia aeroespacial de vários países.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1539771946

Os estudantes com Gomide, à esquerda, e Steinbruch ao centro: apoio da Embraer e do Senai-SP. Foto: Helcio Nagamine/Fiesp


O foguete foi totalmente construído e idealizado pelos estudantes, que, juntos, formam um grupo de 22 participantes. Doze eles viajaram para os EUA. São alunos dos cursos de engenharia aeronáutica, eletrônica e aeroespacial da instituição, de anos variados e idades entre 19 e 27 anos.

O artefato chegou a uma altura de mais de 3.000 metros, mas apresentou uma falha no sistema de abertura do paraquedas. Com o choque após queda livre, a cápsula de 2,07m sofreu severas avarias. E foram perdidos todos os sistemas eletrônicos que registraram os dados do lançamento do foguete.

De acordo com um dos integrantes da equipe, Raphael Ribeiro, o plano para 2015 é de que a cápsula tenha duas aberturas, uma para um paraquedas menor (que abre depois que a máquina atinge o ápice) e outra para um maior (que dispara quando o foguete está a aproximadamente 500 metros do solo). Na avaliação deles, o fato de o foguete ter chegado um pouco mais alto do que o normal, a uma velocidade estimada em 700 km/h, pode ter contribuído para danificar o dispositivo que aciona o paraquedas. Outra mudança é a substituição de pólvora para gás na propulsão.

Respondendo a uma pergunta do presidente da Fiesp, os alunos disseram que, em 2015, pretendem modificar a estrutura da cápsula para torná-la mais resistente a adversidades como a aceleração e umidade. A ideia, ainda, é poder fazer mais testes, visando a correção de falhas antes da competição.