imagem google

Conhecimento e capacidade de entendimento são fundamentais para a sustentabilidade

Durante a reunião, realizada na manhã desta quarta-feira (27/05), também foi feita uma breve apresentação sobre a Agrishow

Ariett Gouveia, Agência Indusnet Fiesp

Foi realizada nesta quarta-feira (28/05), a reunião do Conselho Superior de Meio Ambiente (Cosema) da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp). O principal assunto do encontro foi a palestra do engenheiro florestal Paulo Groke com o tema “A gestão das reservas florestais como estratégia socioambiental e valorização institucional”.

Diretor do Instituto Ecofuturo, que conta com apoio do grupo Suzano, o especialista falou sobre a importância de investir também em educação para beneficiar o meio ambiente. Para ele, a sustentabilidade vai além da gestão de áreas ambientais e da conservação da diversidade,  passando também pela educação fundamental e pela difusão do conhecimento.

Groke: sustentabilidade vai além das ações de conservação ambiental. Foto: Helcio Nagamine/Fiesp

Groke: sustentabilidade vai além das ações de conservação ambiental. Foto: Helcio Nagamine/Fiesp

“A educação para sustentabilidade, que é o nosso mote, não é feita nas bases da conservação ambiental”, explicou. “Se você não tiver uma população capaz de interpretar as informações e se comunicar pela leitura e escrita, dificilmente vai trilhar no caminho da sustentabilidade.”

Parque das Neblinas 

Mas o instituto também investe na preservação de reservas ambientais, por meio do projeto Parque das Neblinas, uma área de remanescente de Mata Atlântica localizada no limite dos municípios de Mogi das Cruzes e Bertioga. Administrado e protegido pelo Ecofuturo, o parque também trabalha com as comunidades locais, gerando renda.

“Quando o proprietário rural do entorno e a comunidade local veem que podem ter algum lucro com a mata, ajudam mais eficazmente na sua conservação, o que cria uma malha de proteção”, afirmou.

Groke defende que projetos de gestão de reservas não são uma preocupação a mais para a empresa, mas trabalham a favor da mesma. “O negócio pode casar totalmente com as questões de conservação da biodiversidade, esses não são pontos excludentes”, disse o engenheiro, que concluiu a palestra mostrando imagens do Rio Itatinga. “Um dia, eu vi esse rio barrento, mas hoje ele tem uma água de qualidade, fruto da estratégia chamada manejo florestal, que não tem segredo. Basta ter boa vontade e visão de futuro.”

A reunião do Cosema: sustentabilidade e agronegócio em debate. Foto: Helcio Nagamine/Fiesp

A reunião do Cosema: sustentabilidade e agronegócio em debate. Foto: Helcio Nagamine/Fiesp


Agrishow

Na mesma reunião, o conselheiro Maurílio Biagi fez um breve balanço sobre a realização da Agrishow 2014, evento no que é presidente.

“O objetivo do evento é aproximar o pequeno e médio agricultor de todo Brasil, para que eles possam ter contato com as novidades, saber o que as companhias de máquinas e implementos produzem, além das trocas entre eles e também com o mundo científico.”

Biagi ouviu as sugestões do conselho sobre a iniciativa e finalizou sua apresentação agradecendo pela colaboração. “Com as ideias trazidas por esse conselho, acredito que podemos tornar a Agrishow uma referência também na área ambiental”.