imagem google

Ontário mostra na Fiesp atrativos para investimento em inovação em saúde

Província canadense tem destaque em pesquisa e desenvolvimento no setor

Agência Indusnet Fiesp

A Fiesp recebeu nesta terça-feira o cônsul canadense Todd Barrett, responsável pela promoção do comércio entre a província de Ontário e o Brasil. No evento, conduzido por Eduardo Perillo, diretor titular adjunto do Comitê da Cadeia Produtiva da Saúde e Biotecnologia da Fiesp (ComSaude), Barrett destacou vantagens competitivas locais, salariais e tributárias, e descreveu o Discovery District, considerado muito importante pelo Canadá. Tem excelência em pesquisa, com citações acima da média mundial. É muito forte em células-tronco e medicina regenerativa.

Fica no Discovery District o MaRS, que segundo Barrett é o maior centro de inovação da América do Norte. Há cerca de 300 startups com escritórios lá, local da sede também de empresas multinacionais e fundos de risco. Iniciado 15 anos atrás por um grupo de médicos para ser um centro de inovação na área de saúde, passou a receber empresas de outros setores.

Em 2016 foram investidos em saúde 3,7 bilhões de dólares canadenses de capital de risco. É a área com maior crescimento virtual (29% a mais de 2015 para 2106), segundo o cônsul. As faculdades se abrem mais para o empreendedorismo, e a presença de empresas perto da Universidade de Toronto favorece o investimento.

Segundo Barrett, a carga tributária em Ontário é competitiva (26,5% de imposto de renda para pessoa jurídica, contra em média 39% nos EUA). O custo para P&D em Ontário é 23,9% mais vantajoso que nos EUA. Há incentivos fiscais para investimento em P&D, com crédito nos impostos que pode devolver 45% para as empresas em geral, e quase 58% quando as despesas são feitas dentro de institutos de pesquisa específicos.

Além disso, o Canadá incentiva a imigração e recebe entre 250.000 e 300.000 pessoas por ano.

Claudio Terra, diretor de Inovação do Hospital Albert Einstein, relatou na reunião viagem organizada pelo governo de Ontário, que permitiu conhecer o sistema local de saúde e a estrutura de pesquisa na área.

Terra trabalhou no Canadá antes da existência do MaRS, que classificou como espetacular, com uma incrível densidade de hospitais ao seu redor. O sistema público canadense tem atendimento semelhante ao dos melhores hospitais brasileiros, afirmou. E é muito forte o investimento em pesquisa. Toronto tem centro muito adensado e depois se espraia, com alta qualidade de vida.

O hospital Albert Einstein foi a Toronto para se inspirar e para conhecer startups, com a possibilidade de atrair algumas para parcerias com a instituição, que trabalha para criar um ecossistema de inovação na área de saúde, explicou.

O corredor da avenida Paulista e Vila Mariana, disse Terra, tem densidade de hospitais comparável ao entorno do MaRS, e lá pode ser buscada a inspiração para a Fiesp, em sua busca por um ecossistema semelhante.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1539864717

Reunião na Fiesp em que o cônsul Todd Barrett falou sobre investimentos em inovação no setor de saúde em Ontário. Foto: Helcio Nagamine/Fiesp