‘Aumento do PIB per capita cubano poderá duplicar nos próximos dez anos’, diz Fiesp

Agência Indusnet Fiesp

A Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) e o Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Ciesp) apoiam o restabelecimento das relações diplomáticas entre os Estados Unidos e Cuba.

Fato histórico, a reaproximação entre as duas nações permitirá não só o avanço econômico da ilha caribenha, como também o incremento do fluxo comercial do país com seus principais parceiros. O Brasil, entre eles.

“Com o fim do embargo norte-americano, o aumento do PIB per capita cubano poderá duplicar nos próximos dez anos”, afirma o presidente da Fiesp e do Ciesp, Paulo Skaf.

Para o diretor do departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior (Derex) da Fiesp, Thomaz Zanotto, “agora é a hora de o Brasil intensificar essa política ainda mais, uma vez que esses investimentos, certamente, irão estimular a exportação de bens e serviços brasileiros para Cuba e toda a América Latina.”

Em 2013, o Brasil teve um superávit comercial de US$ 431 milhões com Cuba. Os principais produtos exportados foram alimentos e máquinas. A corrente de comércio bilateral somou US$ 624 milhões.

Como o país já possui bons indicadores nas áreas de saúde e educação, os futuros investimentos poderão ser concentrados em outros setores da economia, abrindo uma grande possibilidade para os produtos brasileiros.