imagem google
Início do conteúdo

No L.E.T.S, especialistas debatem modelos de análise de impactos regulatórios

Painel faz parte da Semana da Infraestrutura da Fiesp

Talita Camargo, Agência Indusnet Fiesp

Imagem relacionada a matéria - Id: 1537415587

Floriano de Azevedo Marques: é preciso analisar qual modelo de impacto regulatório tem melhor aplicação conforme necessidade. Foto: Everton Amaro/Fiesp

A importância da Análise de Impactos Regulatórios (AIR) foi o tema de um dos painéis na tarde desta segunda-feira (19/05) na Semana de Infraestrutura (L.E.T.S.) da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp).

Moderado pela representante da entidade, Maria D’Assunção Costa, o painel começou com uma apresentação do advogado Floriano de Azevedo Marques. Ele mostrou diversos exemplos da eficácia do modelo de direito regulatório dos Estados Unidos da América (EUA) e comentou sobre os modelos brasileiros.  “Não existe um modelo único de impacto regulatório. É preciso entender qual deles melhor se aplica às necessidades”, disse.

O representante da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), Alex Sandro Feil, explicou que, para a instituição, AIR é o procedimento por meio do qual são providas informações sobre a necessidade – e as consequências – da regulação que está sendo proposta.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1537415587

Alex Sandro Feil: o passo a passo de uma AIR. Foto: Everton Amaro/Fiesp

Segundo ele, são verificados os benefícios potenciais da medida em relação aos custos estimados e se ação é a mais benéfica para a sociedade entre todas as alternativas avaliadas para alcançar o objetivo da regulação proposta.

Ao destacar os principais passos para uma boa AIR, Feil lembrou que não regular é sempre uma opção. “Em primeiro lugar, é preciso fazer um bom planejamento. Depois, defina o problema e estabelecer prazos. Em seguida, selecione as opções e faça a coleta de dados. O próximo passo é a análise e audiência pública da AIR e a minuta da norma. Por fim, faça a finalização da proposta de norma e AIR”, explicou.

Feil destacou que é necessário um treinamento interno sistemático em diversos níveis, bem como o fortalecimento do processo de Agenda Regulatória. “Precisamos redesenhar nossa forma de dialogar com a sociedade”, afirmou.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1537415587

Roberto Kozulj: normas reguladoras são pilares para guiar a busca da eficiência. Foto: Everton Amaro/Fiesp

O professor da Fundação Bariloche, Roberto Kozulj, destacou pontos importantes para as reformas energéticas e o papel relevante da regulação nesse sentido. Além disso, falou também sobre a busca da eficiência. “As normas reguladoras são pilares para guiar a busca da eficiência”, disse.

O coordenador do Pro-Reg, Jadir Proença, falou sobre os instrumentos de reforma e a melhoria da qualidade da regulação, como a simplificação dos processos legislativos, a consolidação legislativa, a redução de barreiras administrativas e a avaliação de riscos etc.

Sobre a AIR, Proença destacou: “nenhum modelo cabe em toda as situações”. Para ele, a AIR é um instrumento de apoio ao processo de tomada de decisão, fortalecendo a governança regulatória e melhorando a competitividade do país por meio de um ambiente regulatório mais sólido.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1537415587

Jadir Proença, da Pro-Reg: AIR é um instrumento de apoio ao processo de tomada de decisão. Foto: Everton Amaro/Fiesp

L.E.T.S

A Semana da Infraestrutura da Fiesp (L.E.T.S.) representa a união de quatro encontros tradicionais da entidade: 9º Encontro de Logística e Transporte, 15º Encontro de Energia, 6º Encontro de Telecomunicações e 4º Encontro de Saneamento Básico. O evento acontece de 19 a 22 de maio (segunda a quinta-feira), das 8h30 às 18h30, no Centro de Convenções do Hotel Unique, em São Paulo.

Mais informações: www.fiesp.com.br/lets