imagem google

Na Fiesp, presidente da Petrobras apresenta plano de negócios 2013-17; Skaf diz que Foster tem apoio da indústria

Segundo Foster, Petrobras começa ainda este ano a curva de crescimento para alcançar os 4,2 milhões em 2020

Juan Saavedra, Agência Indusnet Fiesp

A presidente da Petrobras, Maria das Graças Foster, esteve na sede da Federação e do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp e Ciesp), na manhã desta quarta-feira (10/04), para apresentar o plano de negócios e gestão 2013-2017.

No início de sua exposição, a presidente da Petrobras disse que em poucos meses a empresa começa a curva de crescimento para alcançar os 4,2 milhões de barris diários de petróleo em 2020.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1542196827

Na foto, da esquerda para direita: José Miranda Formigli Filho, diretor de exploração e produção da Petrobras; João Guilherme Sabino Ometto, 2º vice-presidente da Fiesp; Paulo Skaf, presidente da Fiesp e do Ciesp; Maria das Graças Foster, presidente da Petrobras; e Ricardo Tadeu Martins, presidente da Apimec-SP. Foto: Julia Moraes/Fiesp

“Já fizemos a contratação de 38 unidades estacionárias de produção; faltam apenas 13 para serem contratadas. E no ano de 2013 tem sete unidades estacionárias para entrar em produção. Duas delas já estão em produção e uma terceira já estará produzindo no dia 28 de maio”, anunciou Foster.

Foster disse que a empresa atingiu o centro da meta de 2012 (2,022 milhões de barris) e que em 2013 será mantida a produção. “Já no segundo semestre começamos a rampa de crescimento”, afirmou a executiva, apontando que a “financiabilidade do plano é muito mais robusta” que o anterior.

A presidente da Petrobras disse ainda que a produção de petróleo no pré-sal é realidade, rebatendo críticas. “É inconcebível qualquer desqualificação do trabalho da Petrobras  referente à produção no pré-sal.”

O evento contou com a presença de quatro diretores da empresa: Almir Guilherme Barbassa (Financeiro e de Relações com Investidores); José Miranda Formigli Filho (Exploração e Produção), José Carlos Cosenza (Abastecimento) e José Alcides Santoro Martins (Gás e Energia).

O plano 2013-17 foi apresentado pela primeira vez em São Paulo, depois de divulgação oficial no mês de março, na sede da Petrobras, em evento no Rio de Janeiro para investidores, analistas de mercado e imprensa.

Paulo Skaf

Imagem relacionada a matéria - Id: 1542196827

Skaf: interesse da Fiesp é que resultado da Petrobras fique para os brasileiros. Foto: Julia Moraes/Fiesp

Ao abrir o evento, o presidente da Fiesp e do Ciesp, Paulo Skaf, cumprimentou Foster pelo “trabalho brilhante frente à presidência da Petrobras”.

“A sensação que temos é que isso que está acontecendo hoje na Petrobras é muito saudável, com uma nova visão, com um verdadeiro diagnóstico, novas estratégias, para fazer com que a Petrobras continue com um ótimo crescimento, com prioridades atualizadas e com os resultados que interessam ao Brasil”, disse Skaf.

De acordo com o presidente da Fiesp e do Ciesp, mais importante que a autossuficiência de petróleo e a exploração do pré-sal é o que a produção pode proporcionar para o país: “Para nós, o que interessa, principalmente, é que o fruto desse resultado, dessa produção, o que está no meio desse caminho – investimentos, equipamentos, tecnologia, inovação, empregos, oportunidades – fique para os brasileiros. E esta visão está havendo na Petrobras”.

Skaf assinalou que Foster e a diretoria da Petrobras contam com o apoio da Fiesp e do Ciesp. “Temos confiança em sua pessoa. A Petrobras está em boas mãos. A senhora tem nosso apoio para realizar aquilo que a Petrobras precisa”, concluiu Skaf.

A mesa contou com a presença do  2º vice-presidente da Fiesp, João Guilherme Sabino Ometto; e de titulares de departamentos da entidade, José Ricardo Roriz Coelho (de Competitividade e Tecnologia- Decomtec) e Carlos Cavalcanti (de Infraestrutura – Deinfra).

Apimec-SP

Ricardo Tadeu Martins, presidente da Associação dos Analistas e Profissionais de Investimento do Mercado de Capitais (Apimec-SP), instituição que apoiou o evento, disse que o encontro é fundamental por gerar informação. “Nosso trabalho é justamente digerir toda essa informação e trazer para nossos relatórios a melhor recomendação possível dentro de um investimento na Bolsa de Valores.”