imagem google

Ministro da Fazenda discute na Fiesp tabelamento do frete e Reintegra

Pauta da reunião inclui também ações de médio e longo prazo relacionadas à indústria e ao crescimento do Brasil

Agência Indusnet Fiesp

O ministro Eduardo Guardia (Fazenda) participou nesta segunda-feira (11 de junho) de reunião conjunta das diretorias da Fiesp e do Ciesp. José Ricardo Roriz Coelho, presidente em exercício das entidades, conduziu a reunião.

Em entrevista coletiva Roriz disse que foi uma reunião de trabalho, tendo na pauta ações de médio e longo prazo, com temas como a carga tributária sobre a indústria e a volta do crescimento. E se conversou também sobre problemas de curto prazo, disse, dando como exemplo o desencadeamento de uma série de dificuldades para as empresas com a greve dos caminhoneiros. “O ministro, com muita transparência, discutiu todos esses pontos”, disse Roriz.

Um dos problemas de curto prazo é o tabelamento do frete. Muitas indústrias não conseguem enviar seus produtos, pelo encarecimento do frete. “Não queremos transferir esses custos para a sociedade. E somos contra qualquer tipo de tabelamento.”

Em relação à solução encontrada para encerrar a greve, Roriz lembrou que “foi uma negociação muito difícil. O Brasil estava parado.” O tabelamento de frete foi a alternativa encontrada, mas passado o momento inicial, ficaram muitos problemas, talvez até maiores e que precisam ser corrigidos. O ministro, disse, admitiu os problemas causados pela tabela.

Outro problema discutido foi que o governo antecipou a redução do Reintegra, incentivo às exportações, que ajudam as indústrias em momento de ociosidade de 30%. As empresas já tinham considerado o Reintegra em seus orçamentos, explicou Roriz, e inclusive feito exportações contando com eles.

O presidente em exercício da Fiesp e do Ciesp acha prematuro estimar qualquer número relativo ao crescimento do PIB devido à greve dos caminhoneiros, mas acredita que dificilmente a variação este ano superará 2%.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1542645841

Eduardo Guardia, à esquerda de Roriz, fala em reunião da diretoria da Fiesp e do Ciesp. Foto: Helcio Nagamine/Fiesp