imagem google

“Marinha do Brasil crescerá, e crescerá muito”

Afirmação foi feita pela maior autoridade da instituição, o almirante-de-esquadra, Júlio Soares de Moura Neto, durante solenidade na Fiesp

Uma das mais importantes guerras travada pela Marinha do Brasil acaba de completar 144 anos. A vitória na Batalha Naval do Riachuelo em 1865 tornou-se Data Magna para a instituição e, na última terça-feira (7), recebeu homenagem do Departamento da Indústria de Defesa (Comdefesa) da Fiesp.

Presente ao evento, o Almirante-de-Esquadra, Júlio Soares de Moura Neto, disse que mesmo o Brasil não tendo vocação marítima – já que possui muitos rios navegáveis que não são explorados -, a Marinha deverá crescer significativamente nos próximos anos.

“A Fiesp sempre demonstrou preocupação com a vigilância e a defesa do País”, comentou o almirante. Ele disse que considera importante o desenvolvimento da indústria brasileira de Defesa na produção de itens de aplicação dual (civil e militar), que contribuem com o poder militar e a evolução do Brasil.

O presidente da Fiesp/Ciesp, Paulo Skaf, se disse “animado” com a informação dada pelo Almirante Moura Neto de que a instituição será ampliada. “Esta é só uma singela, mas calorosa homenagem merecida à Marinha do Brasil”, comentou.

Já o diretor-titular do Comdefesa, Jairo Cândido, lembrou que a Fiesp apoiou a primeira missão brasileira das Forças Armadas à Antártica. “Temos uma parceria sólida e contínua”, classificou.


Data



A homenagem prestada à Marinha faz parte do objetivo da Fiesp de valorizar as missões constitucionais das Forças Armadas e tornar-se próxima dela. Trata-se de uma Data Magna da instituição, que comemora a vitória do Brasil na Batalha Naval do Riachuelo, em 11 de junho de 1865.

Durante o evento, a banda Fuzibossa, da Marinha fez uma apresentação especial. Formado para apresentações em eventos sociais e de confraternização do Corpo de Fuzileiros Navais e da Marinha, o conjunto tem em seu repertório músicas popularmente consagradas, com destaque para canções brasileiras.


Força

A Marinha tem como missão empregar o poder naval, a fim de contribuir para a defesa da Pátria, além de estar pronta para atuar na garantia dos poderes constitucionais. Está sob sua responsabilidade atuar em ações de organismos internacionais em apoio à política externa do País e cumprir as atribuições subsidiárias previstas em lei relacionadas à autoridade marítima.

Recentemente, a Marinha brasileira desempenhou papel fundamental nos trabalhos de buscas das vítimas e dos destroços do avião da Air France, que caiu perto da costa brasileira no último dia 31 de maio, quando fazia o trajeto Rio de Janeiro-Paris.