imagem google

Jogadoras e comissão técnica do Sesi-SP comentam conquista do Sul-americano de vôlei

Veja o que disseram Dani Lins, Fabiana, Suelle, Talmo de Oliveira e Montanaro

Lucas Dantas e Talita Camargo, Agência Indusnet Fiesp

Ainda sob a emoção da vitória sobre o Molico/Nestlé Osasco por 3 sets a 0 (25/21, 25/21 e 25/16), na noite deste domingo (09/02), atletas e comissão técnica da equipe feminina de vôlei do Serviço Social da Indústria de São Paulo (Sesi-SP) conversaram com a reportagem sobre o jogo e a alegria de conquistar o Sul-Americano Feminino de Clubes.

Leia os principais trechos:


Fabiana Claudino, central
“Estou superfeliz com essa vitória. É o resultado do bom trabalho que a gente vem fazendo. A gente está de parabéns, a comissão técnica está de parabéns.”

Dani Lins, levantadora
“O grupo está de parabéns, a gente veio sabendo que estava lá [no time adversário] a responsabilidade. O melhor time está lá. E em um jogo de superação: sem ponteira, sem meio, todo mundo machucado. E a gente entrou solta e feliz. Tem que jogar assim: solta e feliz. E estudando muito o time delas. E o que eu falei: um time conhece muito bem o outro. Não sei se fica mais difícil ou mais fácil.”

Suelle, ponteira
“Nossa equipe jogou muito bem. É muito difícil jogar aqui em Osasco, com a torcida gritando. Conseguimos mostrar nossa grande força e neutralizar as principais atacantes do Osasco. A gente errou pouco.”

Talmo de Oliveira, técnico
“Tivemos uma missão muito difícil. O Osasco é uma equipe muito forte. Esse título eu sempre falei que ele não foi conquistado hoje. Ele foi conquistado há três anos, quando esse projeto foi criado. Cada ano a gente vem melhorando. Cada ano, as jogadoras que chegam aprendem que não basta só jogar. Temos que ser exemplos para tantos alunos que a gente encontra no Sesi-SP. Rodamos o Estado inteiro. Cada vez mais os alunos são apaixonados pelas jogadoras. As jogadoras vão almoçar na casa dos alunos. Isso nos dá uma satisfação tão grande.  (…) É sofrido, nosso time tem que treinar muito, mas a recompensa sempre vem.“

José Montanaro, gestor do vôlei
“Estou muito orgulhoso desse resultado e, principalmente, da volta que essas meninas deram. A equipe soube se superar. Ano passado, tivemos algumas derrotas. E até a equipe se estabelecer e encontrar um caminho, se concentraram, acreditaram, treinaram muito, tiveram coragem. E superar uma grande equipe como o Molico/Osasco, uma equipe fortíssima, campeã mundial, com grandes jogadoras. Mas o que vale é o dia, é o momento, o Sesi-SP mereceu essa vitória surpreendente por 3 sets a 0, mas incontestável. Tenho que parabenizar a comissão técnica. Mesmo superando muitas dificuldades. Estamos com quatro ou cinco meninas machucadas: a Pri Daroit, a Ju Costa, a Mari Casemiro, a central Barbara e a líbero Juliana. Então, o time não está completo. Fico muito otimista com o quanto essa equipe pode crescer, tanto na Superliga como no Mundial. Quarta-feira [12/02] já temos Superliga. Tem pouco tempo para comemorar. Não pode ficar só pensando para o Mundial. Tem que subir um degrau de cada vez e o próximo degrau é a equipe do Barueri.”