imagem google
Início do conteúdo

Investimento do BNDES em meio ambiente alcançou R$ 26,4 bilhões em 2013

Guilherme da Rocha Cardoso foi o convidado de reunião do Conselho Superior de Meio Ambiente da instituição e destacou a atual agenda do banco na área

Guilherme Abati, Agência Indusnet Fiesp

O investimento do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) em economia verde e financiamento climático alcançou R$ 26,4 bilhões em 2013, um aumento de 35% nos últimos três anos, afirmou nesta terça-feira (25/03) Guilherme da Rocha Cardoso, chefe do departamento de Meio Ambiente do banco, em reunião do Conselho Superior de Meio Ambiente (Cosema), realizada na sede da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp).

O Departamento de Meio Ambiente do banco é, segundo o dirigente, o responsável pela gestão de operações ambientais e lidera a agenda ambiental do BNDES.

Durante a exposição, Cardoso ressaltou os apoios financeiros que o banco realiza na área ambiental e a evolução da agenda da instituição na área. Hoje, segundo ele, o setor é um dos principais focos da instituição, ao lado de inovação e desenvolvimento humano.

“Desde 1976, o BNDES já trabalha com a questão. Em 1989, foi fundada a primeira gerência de meio ambiente. E, em 2006, foi criada a primeira linha do banco direcionada exclusivamente para questões ligadas ao meio ambiente”, disse.

Cardoso: primeira linha voltada para a gestão ambiental foi criada em 2006. Foto: Tâmna Waqued/Fiesp

Cardoso: primeira linha voltada para a gestão ambiental foi criada em 2006. Foto: Tâmna Waqued/Fiesp

Projetos do BNDES

O expositor ainda ressaltou durante a reunião os atuais projetos desenvolvidos pelo banco que têm como foco a melhoria do setor ambiental no Brasil.

“O Inova Sustentabilidade, plano do governo federal para estimular a inovação, lançado em março de 2013, já disponibilizou em linhas de investimento cerca de R$ 8,5 bilhões”, informou.

Outra ação de destaque é o Projeto Fundo Clima, que “apoia projetos e financiamento de empreendimentos que visem a mitigação ou a adaptação a mudança do clima e seus efeitos”.

Apesar da forte atuação em temas ligados ao meio ambiente, Cardoso julga que o banco pode realizar ainda mais pelo país.

“Precisamos ainda da evolução das políticas socioambientais, de apoio para a implementação da política nacional de resíduos sólidos, de promoção de investimentos em ecoeficiência e tecnologias verdes, além de explorar oportunidades de negócios sustentáveis”, disse.

A reunião do Cosema nesta terça-feira (25/03): ações em nome da sustentabilidade. Foto: Tâmna Waqued/Fiesp

A reunião do Cosema nesta terça-feira (25/03): ações em nome da sustentabilidade. Foto: Tâmna Waqued/Fiesp


A reunião foi conduzida por Walter Lazzarini, presidente do Cosema, e contou com as presenças de Adhemar Bahadian, embaixador e coordenador das atividades dos Conselhos Superiores da Fiesp e Mario Hirose, conselheiro do Cosema