imagem google
Início do conteúdo

Indústria de transformação pode perder 290 mil empregos com o fim da desoneração, aponta pesquisa da Fiesp

O fechamento das vagas equivale a 3,7% do total de empregos do setor, revela pesquisa da Fiesp

Patrícia Ribeiro, Agência Indusnet Fiesp

Os dados são do estudo “Mudanças na desoneração da folha de pagamentos: impactos no emprego da indústria de transformação”, do Departamento de Competitividade e Tecnologia da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Decomtec-Fiesp).

No total, 54% das indústrias de transformação que participam da desoneração da folha irão demitir se essa política for retirada ou se houver elevação da atual alíquota de 1% para 2,5% do faturamento, conforme a proposta do governo. O estudo ainda apontou que a demissão de 290 mil trabalhadores industriais afetará a arrecadação de tributos sobre a renda e consumo e elevará as despesas do governo com seguro-desemprego. Além disso, 57 mil demissões adicionais devem ocorrer na economia, devido à redução de consumo das famílias dos desempregados pela indústria.

“O fim da desoneração vai deteriorar ainda mais a competitividade e a economia brasileira. Teremos um impacto nas demissões que deve chegar a R$ 2,6 bilhões ao ano na arrecadação tributária líquida da União. Além disso, o efeito líquido da redução da renúncia fiscal com a desoneração da folha será menor do que o esperado pelo governo”, afirma o diretor-titular do Decomtec, José Ricardo Roriz Coelho.

“A indústria não vai aceitar mudanças na lei de desoneração. Já estamos pagando um preço muito alto. E todas estas demissões só agravarão o quadro de crise pelo qual estamos passando”, conclui.

Clique aqui para ter acesso ao estudo completo