imagem google

Indicadores gratuitos na Internet ajudam empresas a preparar relatório de sustentabilidade

O uso das ferramentas foi tema de seminário na Fiesp, durante “Semana do Meio Ambiente”

Bernadete de Aquino, Agência Indusnet Fiesp

“Aquilo que não medimos, não gerenciamos”, afirmou nesta quinta-feira (11/6) Glaucia Terreo, diretora da Global Reporting Initiative (GRI), ao abrir o seminário “Indicadores de sustentabilidade: mecanismos para melhorar a performance da empresa e seus processos”, organizado pelo Comitê de Responsabilidade Social (Cores) da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), durante a Semana do Meio Ambiente na sede da entidade.

Há 15 anos, a GRI, organização não governamental holandesa, disponibiliza gratuitamente pela Internet a metodologia utilizada por ao menos 4,5 mil empresas no mundo para preparação de relatórios de sustentabilidade.

“Essa ferramenta foi construída com diálogo mundial e está disponível no site da GRI, traduzida para o português, para o uso de consultores, empresas, pequenas ou grandes, de todos os setores”.

Segundo a diretora, relatório de sustentabilidade é o relato financeiro acrescido de informações de governança, informações sociais e ambientais.

“Nós estamos trazendo indicadores para as empresas, mas não é só para colocar em um documento, em um determinado momento do ano. Ele tem que ajudar a criar o procedimento que vai auxiliar a empresa a fazer parte do desenvolvimento sustentável”, conclui Glaucia.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1542723266

Painel sobre indicadores de sustentabilidade durante Semana do Meio Ambiente. Foto: Helcio Nagamine/Fiesp


Outras ferramentas
Representantes de algumas organizações participaram do encontro na Fiesp e apresentaram experiências com outras ferramentas de indicadores de sustentabilidade

Para Caio Magri, diretor executivo de Operações, Práticas Empresariais e Políticas do Instituto Ethos, é necessário que as empresas estejam dispostas a criar a gestão sustentável.

Segundo ele, precisa haver decisão política e decisão da corporação para escolher o melhor caminho, de acordo com as características da natureza e porte do negócio.

A diretora de Sustentabilidade e Imprensa BM & Bovespa, Sônia Favaretto, apresentou o Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE), criado há 10 anos.

“O índice serve para dar referência ao investidor, que busca bons negócios. Alguns investidores mais conscientes buscam um retorno não só financeiro, mas que tenha também o lastro de boas práticas sociais e ambientais”.

Sônia explicou, no entanto, que são convidadas a participar as empresas que têm os 200 papeis mais líquidos na Bolsa.

Sesi-SP
Durante evento, o especialista em sustentabilidade Vitor Seravalli descreveu o Modelo Sesi de Sustentabilidade como uma ferramenta de autodiagnostico, baseada em indicadores que propõe às indústrias uma reflexão sobre o que é sustentabilidade em sua gestão e impactos que pode causar na competitividade.

“O objetivo é estimular a excelência da gestão da sustentabilidade com base na qualidade de vida e no trabalho. E mensurar a relação entre os investimentos que a empresa faz nisso e a produtividade que ela alcança com essa implementação”, afirmou.

Segundo Seravalli, o modelo conta com 80 indicadores focados em seis áreas: cultura organizacional, gestão de pessoas, inovação, educação e desenvolvimento, ambiente de trabalho seguro e saudável e desenvolvimento socioambiental.

O seminário foi conduzido pela diretora ajunta do Cores, Grácia Fragalá, e mediado por José Salvador, integrante do Comitê.