imagem google
Início do conteúdo

Gerente da Petrobras afirma que estatal está preparada para “um eventual acidente”

Marcos Vinicius de Mello, de Meio Ambiente da Petrobras, comenta riscos de exploração no pré-sal durante 5ª Mostra Fiesp/Ciesp

Alice Assunção, Agência Indusnet Fiesp

Imagem relacionada a matéria - Id: 1537904452

Marcos Vinicius de Mello, gerente setorial da Petrobras

Em meio à repercussão do vazamento de óleo na área do Campo de Frade, na Bacia de Campos (RJ), envolvendo a petroleira norte-americana Chevron, o gerente setorial de Meio Ambiente da Petrobras reconheceu nesta segunda-feira (21) que a atividade de exploração e produção é uma operação de risco, mas afirmou que a estatal está preparada para eventuais acidentes.

“Não podemos e nem vamos dizer que jamais vai acontecer. Pode acontecer”, disse Marcos Vinicius de Mello. “O que nós fazemos é gerenciar o risco associado a nossa atividade e nos preparar. Na Bacia de Santos como um todo, temos pelo menos oito embarcações dedicadas, que se ocupam 24 horas por dia da tripulação e equipamentos para atuar imediatamente.”

Ele participou da mesa redonda “Desenvolvimento Sustentável no Pré e no Pós-sal”, durante o primeiro dia da 5º Mostra Fiesp/Ciesp de Responsabilidade Socioambiental. “Se todo o resto falhar, essa embarcação vem na incumbência de iniciar o combate e a recuperação de um eventual vazamento de óleo”, acrescentou o gerente da estatal.

Revelado em oito de novembro, estima-se que o vazamento em Campus jorrou um volume entre 200 e 300 barris de petróleo por dia, segundo a Agência Nacional de Petróleo, Gás e Biocombustíveis.

Estrutura

O presidente do Conselho Superior de Meio Ambiente (Cosema) da Fiesp, Walter Lazzarini, reiterou a necessidade de se discutir possíveis consequências negativas na exploração de petróleo no pré-sal.

“É fundamental que tenhamos a preocupação de discutir aquilo que pode haver de prejuízo ou de impactos negativos pela exploração do pré-sal, na medida em uma região pode ser impactada pela falta de infraestrutura para receber a população, seguramente atraída pelos empregos gerados”, sublinhou Lazzarini. “Há necessidade que essa infraestrutura seja em termos de saneamento básico, em termos residências, escolas e hospitais.”

Lazzarini mediou o debate sobre pré-sal durante a 5ª Mostra de Responsabilidade Socioambiental, que até quarta-feira (23) receberá autoridades e executivos para debaterem a apresentarem casos de sucesso voltados ao desenvolvimento social e econômico.