imagem google

Fiesp propõe unificação de documentos: simplificação e menos burocracia

Em fase de teste, governo lançou o DNI, documento de identificação que reúne CPF e título de eleitor. Para a federação das indústrias, é preciso avançar mais

Agência Indusnet Fiesp


No último dia 5 de fevereiro, o governo federal lançou projeto-piloto do Documento Nacional de Identificação (DNI), que reunirá inicialmente o CPF e o título de eleitor. A fase de testes será realizada com 2 mil servidores do Ministério do Planejamento e do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), mas o objetivo é que o serviço esteja disponível para a população a partir do mês de julho, tendo como suporte os dados de 73 milhões de pessoas que já realizaram o cadastramento biométrico, com foto, junto ao TSE.

O DNI será um documento apresentado pelo cidadão, pelo celular, quando solicitado, e ficará dispensado de documentos físicos, tais como CPF, certidão de nascimento, casamento ou título de eleitor. No futuro, também poderão ser vinculados a Carteira Nacional de Habilitação (CNH) e o cartão do SUS. Quando o serviço estiver liberado para a população, o DNI ficará acessível a partir de aplicativo gratuito para celulares e relógios inteligentes.

Entre as reivindicações da Fiesp ao governo federal está a criação de um documento único mais completo, reunindo 20 informações de identificação. Entre as motivações do pedido estão o excesso de trâmites exigidos pelos órgãos públicos, os custos associados e a longa lista de obrigações por parte do cidadão e das empresas. Geralmente, prestam-se informações repetidas várias vezes, o que implica, inclusive, em questões de segurança.

A indústria se preocupa com a redução da burocracia. Estudos realizados pelo Comitê de Desburocratização, departamento da Fiesp mostram que, atualmente, o custo da burocracia no Brasil é de 1,45% (R$ 86,7 bilhões) a 2,76% (R$ 162 bilhões) do PIB, valores desperdiçados para cumprir obrigações ilógicas. O DNI foi um avanço, mas ainda é preciso fazer mais.

Com o intuito de colaborar com o governo e diminuir o impacto na competitividade e no aumento do Custo Brasil, a Fiesp lançou a campanha Brasil Sem Burocracia com diversas sugestões e alternativas para a simplificação da vida do brasileiro.

Para saber mais, acesse: www.brasilsemburocracia.com.br