imagem google

Fiesp homenageia novo presidente do TJ-SP em jantar

Na ocasião, foi firmado convênio entre o tribunal e o Sesi-SP para projeto de inclusão digital

Isabela Barros, Agência Indusnet Fiesp

Foi realizado, na noite desta segunda-feira (10/03), na sede da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), um jantar em homenagem ao desembargador José Renato Nalini, eleito presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ- SP) em janeiro de 2014. Entre os participantes, o presidente da Fiesp, Paulo Skaf, e diretores e representantes do Departamento Jurídico (Dejur), do Conselho Superior de Assuntos Jurídicos e Legislativos (Conjur) da federação e da Câmara de Medição e Arbitragem do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Ciesp). O primeiro vice-presidente da Fiesp, Benjamin Steinbruch, também participou do evento.

Na ocasião, foi firmado um convênio de cooperação técnica entre o Serviço Social da Indústria de São Paulo (Sesi-SP) e o TJ-SP para o “Projeto de Inclusão Digital para Crianças e Adolescentes”. O acordo foi assinado por Skaf e Nalini.

Presidente do Conjur, Sydney Sanches deu as boas-vindas a Nalini em nome da Fiesp. “O Nalini é um inovador, seu currículo tem 67 folhas”, disse.

Nessa linha, Sanches lembrou que o novo presidente do TJ-SP é graduado em “ciências jurídicas e sociais”, tendo feito mestrado e doutorado na Universidade de São Paulo (USP). “Também foi docente em disciplinas diversas como economia política e teoria geral do estado, membro do Ministério Público de São Paulo e autor de artigos científicos e textos diversos”.

E tem mais: “Nalini é nosso amigo”, disse Sanches. “Parabéns, tenha pleno êxito na presidência do TJ-SP”, afirmou o presidente do Conjur.

Viver bastante

De acordo com Nalini, o currículo extenso não é nada além do fato de “viver bastante”. “Por isso vamos colecionando títulos. Tive uma vida muito singela, de trabalho”.

Para ele, a Fiesp é uma “casa amiga da Justiça”. “O equipamento Justiça precisa do apoio da sociedade brasileira”, afirmou.

Nalini: uma vida "singela e de muito trabalho". Foto: Ayrton Vignola/Fiesp

Nalini no jantar na Fiesp: uma vida " muito singela e de trabalho". Foto: Ayrton Vignola/Fiesp


Segundo o presidente do TJ-SP, existem 93 milhões de processos em curso no país hoje. “Administrar a Justiça não significa multiplicar os processos”, explicou. “Essa não é a forma mais simples e menos dispendiosa de resolver conflitos”.

Daí a importância de iniciativas como a resolução de divergências pela conciliação. “Resolver problemas pela conciliação é um reforço à democracia brasileira”, disse. “Vamos fazer com que a cidadania assuma a sua responsabilidade”.

Natural da Jundiaí,  Nalini nasceu em 1945 e se formou em 1970 pela Faculdade de Direito da Universidade Católica de Campinas. Tomou posse na magistratura em 1976 e foi nomeado para a 13ª Circunscrição Judiciária, com sede em Barretos. Ao longo da carreira, também foi juiz nas comarcas de Monte Azul, Itu e Jundiaí, além da capital. É desembargador do Tribunal de Justiça de São Paulo desde 2004 e ocupou o cargo de corregedor-geral no biênio 2012/2013.