imagem google
Início do conteúdo

Familiaridade com equipamentos é vantagem competitiva para brasileiros na Worldskills

Maior torneio de formação profissionalizante do mundo, realizado pela primeira vez na América Latina, impressionou participantes estrangeiros

Alex de Souza, Agência Indusnet Fiesp

Um dia após a abertura oficial do evento, a Worldskills São Paulo 2015 chega ao fim do primeiro dia de provas. O espaço do Anhembi Parque, incluindo o sambódromo, palácio e o pavilhão de exposições, recebeu os mais de 1.200 competidores de 60 países que disputarão medalhas em 50 ocupações da indústria e do setor de serviços.

Para o coordenador da equipe do Senai-SP na competição mundial, José Carlos Dalfré, o fato de competir em casa ajuda bastante, mas não é determinante para o resultado final. “Mais importante é ter a familiaridade com as máquinas utilizadas nas provas. Ao contrário de outras edições, em que os nossos alunos tinham contato com os equipamentos apenas alguns dias antes da competição, na Worldskills São Paulo eles tiveram a chance de treinar nas máquinas escolhidas para o evento com muitos meses de antecedência, e isso será um grande ponto a favor de nossa equipe”, destacou.

A vantagem competitiva não é, no entanto, exclusividade da delegação brasileira. Segundo Dalfré, países como Coreia e Japão investiram pesado para a competição. “Assim que souberam que sediaríamos esta edição do torneio, os asiáticos compraram as máquinas e equipamentos que seriam utilizadas na competição.”

Dalfré também elogiou a cerimônia de abertura, realizada na noite desta terça-feira, no Ginásio do Ibirapuera. “Foi um grande espetáculo. Foi tão belo e contagiante que dava até para ver alguns estrangeiros arriscando passos de dança na arquibancada”.

Qualidade técnica
O alto nível de organização não se restringe ao aspecto artístico e visual que impressiona. Para Roberto Spada, diretor de Relações Externas do Senai-SP, vice-presidente da Worldskills e CEO da Worldskills Américas, a qualidade técnica do evento é algo que também merece destaque.

“Parte do sucesso do evento se deve ao Senai, parceiro da Worldskills e realizador do evento. Para esta edição, a maior de todas, conseguimos atingir um alto nível de excelência. Tão bom quanto um evento bem feito é saber que os conceitos da organização serão difundidos em nosso país”.

A edição de 2019 do mundial será na Rússia. E para o coordenador da delegação russa, Mikhail Evnevich “foi muito emocionante ouvir o anúncio de que nosso país sediará a competição, por saber que poderemos ajudar a difundir os objetivos da Worldskills na Rússia”.

O russo também se disse surpreso com a infraestrutura e elogiou a escolha de São Paulo para a edição deste ano.

“Este é o maior de todos os eventos de que participei. A escolha do Anhembi Parque foi acertada porque todos os eventos estão no mesmo lugar. Ter tudo no mesmo conjunto facilita tudo, porque são muitas competições, todas ao mesmo tempo, com grande quantidade de pessoas envolvidas”, disse Evnevich ao lembrar que já participou de edições divididas em mais de uma cidade. “Isso dificulta toda a logística”.