Entrevista: William Walter da Silva e o desafio de desenvolver um projeto vencedor

Aplicativo rende ao grupo um prêmio especial: visita à sede da companhia Renault, em Paris

Juan Saavedra, Agência Indusnet Fiesp

Concorrendo na categoria “Indústria Automobilística”, o aplicativo “Renault Connect”, que faz a conexão entre o carro e o serviço “My Renault” da montadora, foi o vencedor da terceira edição da maratona de desenvolvimento de aplicativos Hackathon.

A tecnologia foi desenvolvida pela equipe de brasileiros Next5 durante o evento  – iniciativa da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), por meio do Comitê de Jovens Empreendedores (CJE), que mobilizou dezenas de participantes nos dias 20 e 21 de setembro, na sede da entidade.

Em entrevista ao portal Fiesp, o tecnólogo em produção gráfica William Walter da Silva fala sobre o desafio do projeto.

William Walter da Silva, com a interface do aplicativo: vitória vai dar ao grupo a chance de conhecer a sede da Renault na França. Foto: Tâmna Waqued/Fiesp

 

Ele é um dos integrantes da Nex5, ao lado do fisioterapeuta Cláuffer Luiz M. Silva, mestre em Saúde Coletiva; do designer Flavio Santana, especializado em Interação e Experiência do Usuário; e do analista Jefferson da Silva Cunha, especialista em desenvolvimento de softwares.

Os quatro se conheceram durante o evento, somente após a divisão dos grupos. “Acreditamos que foi a vontade de Deus, a capacidade e o respeito pelas ideias de cada um, que nos levou a vitória”, diz Walter da Silva.

Leia, a seguir, a entrevista:

O que te motivou participar do Hackathon/Fiesp e de que modo os integrantes da equipe Next5 tomaram conhecimento do evento?

William Walter da Silva – Na verdade, nos conhecemos somente durante o evento, após a divisão dos grupos, e não tínhamos qualquer contato anterior. Nos inscrevemos para compartilhar e tirar do papel as ideias que temos, em um ambiente extremamente criativo e dinâmico. Eu soube do Hackathon em agosto, a partir de um e-mail enviado pelo CJE. O Cláuffer ficou sabendo do evento na mesma época, ao ver o site da Fiesp; o Flávio soube logo que abriram as inscrições. E o Jefferson, apenas um dia antes!

Por que decidiram concorrer na categoria “Indústria Automotiva”?

William Walter da Silva – Justamente por ser diferente de todas as experiências que tivemos anteriormente. Foi uma forma de se reinventar, pensar “fora da caixa”.

Vocês já tinham em mente desenvolver um aplicativo com as características do Renault Connect?

William Walter da Silva – Não, até mesmo porque a gente não se conhecia. O início do trabalho foi de muitas ideias e muito rabisco. Foram algumas horas de bastante conversa e todas as ideias foram de grande valia para chegarmos ao produto apresentado.

E como foi trabalhar em equipe?

William Walter da Silva – O bom de se trabalhar em equipe é isso: cada um contribuiu de alguma maneira. Cada integrante ajudou com o que conhecia, seja na área de programação, na de design e outros na pesquisa para o desenvolvimento do produto final.

Na foto, integrantes da equipe Next5, vencedores na categoria Automobilítica posam com representantes da Renault e do Comitê de Jovens Empreendedores da Fiesp. Ao centro, de vermelho, William Walter Silva segura o certificado. Foto: Tâmna Waqued/Fiesp

 

Como funciona e quais são as vantagens do aplicativo que vocês desenvolveram?

William Walter da Silva – O “Renault Connect” faz a conexão do carro com o serviço “My Renault”. Ele funciona como um autodiagnóstico veicular, enviando vários alertas para o proprietário, do tipo: “agende sua revisão”. Também informa os problemas detectados no veículo, os postos de gasolina mais próximos e com melhor preço, quais as concessionárias mais próximas, entre outras informações.

Por meio do aplicativo a montadora e as concessionárias terão informações precisas e poderão prever possíveis desgastes e falhas, melhorar o gerenciamento das peças de reposição, executar reparos com maior agilidade. Isso facilita a pesquisa e o desenvolvimento de novos produtos e serviços, por dispor de informações importantes sobre a real necessidade do consumidor. 

Como cada integrante contribuiu para o desenvolvimento da solução?

William Walter da Silva O início foi de muitas ideias e muito rabisco e cada um contribuiu de alguma forma. Cada integrante ajudou com o que conhecia, na área de programação, no design e outros na pesquisa para o desenvolvimento do produto final.

Qual o maior desafio e como foi essa experiência de desenvolver e apresentar uma solução em apenas 24h?

William Walter da Silva – O grande desafio dessa maratona é conseguir desenvolver e ter apenas dois minutos para apresentar um projeto inovador e que seja viável. Na manhã de sábado conhecemos sobre o Hackathon e seus responsáveis, assistimos a palestras importantes para a escolha do nosso projeto e para a divisão das equipes. Na parte da tarde começamos a desenhar nosso projeto e à noite a equipe começou a programar o app virando a madrugada. Enquanto uma parte programava e dava cara ao projeto, os outros integrantes preparavam a apresentação. Seria mentira dizer que não é cansativo. Mas com certeza faríamos tudo outra vez.

Sobre o aplicativo Renault Connect, qual o principal diferencial, na sua opinião, e qual o potencial de valor gerado para a empresa e, principalmente, para o usuário?

William Walter da Silva – O diferencial é beneficiar a todos os envolvidos. A montadora contará com informações importantes para acompanhar e entender as necessidades dos consumidores, proporcionando maior fidelização e valorização da marca. As concessionárias e os fornecedores poderão adequar seus produtos e serviços de acordo com a demanda real e assim expandir a base de clientes. Os consumidores, por sua vez, contarão com serviços exclusivos, economia e conforto para manter a manutenção do carro em dia, evitando possíveis transtornos ou acidentes.

Renault Connect: diferencial, de acordo com a equipe, é beneficiar a todos os envolvidos - montadora, consumidores e concessionárias e os fornecedores. Foto: Tâmna Waqued/Fiesp

 

Além de receber os prêmios concedidos a todos, o grupo também ganhou uma viagem para Paris, na França, para conhecerem a sede da montadora. Qual a sua expectativa quanto a isso?

William Walter da SilvaEm relação à viagem, acredito que ainda não caiu a ficha de ninguém. A expectativa é a das melhores. Não tem como ser diferente. Ter a oportunidade de ir para França, e de conhecer a sede de uma das maiores montadoras automobilísticas do mundo, será muito importante para aprender mais e dar continuidade ao nosso projeto. Sem falar do valor que agrega ao nosso currículo.

E qual foi o aprendizado obtido com a experiência de ter participado do Hackathon/Fiesp e o que deve refletir na carreira de vocês?

William Walter da SilvaAcredito que um dos principais aprendizados que tivemos foi o de acreditar que é possível fazer algo de grande importância em 24h. Basta querer. Por outro lado, acredito que serviu como preparação para desafios maiores. Com certeza foi um divisor de águas para cada um.

Além da viagem para Paris, quais os próximos passos do grupo com relação a esse projeto?

William Walter da SilvaO projeto foi desenvolvido para ser aplicado de fato. Esperamos que em breve o aplicativo faça parte dos diferenciais oferecidos pela Renault a seus consumidores.

Qual é a mensagem que vocês têm para outros jovens interessados em participar da próxima edição do Hackathon?

William Walter da Silva – Estejam preparados. Leiam, aprendam, conheçam pessoas diferentes, participem de vários eventos para empreendedores, que uma hora alguém vai ouvir o que tem a dizer. Fácil não é, mas com determinação, a vitória sempre vem.

E para as indústrias, qual a importância de investir em aplicativos?  

William Walter da SilvaA cada dia que passa novas tecnologias são lançadas, e a indústria precisa acompanhar essas inovações, entender o que o cliente está procurando e necessita. Hoje, com um clique, você tem inúmeras informações e essas são de grande valia para que as empresas possam entender o comportamento dos usuários, e dessa forma criar produtos específicos para eles.