Entrevista: Nadia Jacoby, vice-reitora de Comunicação e Sistemas da Informação da Sorbonne - FIESP

Entrevista: Nadia Jacoby, vice-reitora de Comunicação e Sistemas da Informação da Sorbonne

Segundo vice-reitora, Sorbonne tem interesses de pesquisa em temas comuns aos da Fiesp

Juan Saavedra, Agência Indusnet Fiesp

Nadia Jacoby: nossas expectativas são, antes de tudo, descobrir o que nós somos capazes de fazer neste ambiente novo. Foto: Julia Moraes/Fiesp

Durante a visita à Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), no dia 15 de abril, a vice- reitora de Comunicação e Sistemas da Informação da Universidade de Paris 1 Panthéon-Sorbonne, Nadia Jacoby, atendeu a reportagem do site da Fiesp.

Nessa entrevista, Nadia Jacoby fala sobre os interesses comuns que motivaram a parceria e comenta as primeira reuniões de trabalho com diretores da Fiesp após assinatura da “Globalização e mundo emergente”, acordo de cooperação entre as duas instituições.

A parceria Fiesp-Sorbonne

“Foi um feliz concurso de circunstâncias, um encontro não programado entre meus colegas da Universidade de Paris 1 Panthéon-Sorbonne e dirigentes da Fiesp que descobriram um interesse comum para eventualmente montar, juntos, um acordo de cooperação. As discussões tomaram certo número de meses, o que, acredito eu, seja a garantia do estabelecimento de uma relação mutuamente interessante, e hoje, para nós, é quase natural, eu diria, trabalhar com um parceiro que faz perguntas que nós também fazemos. Nós questionamos as coisas como universidade, do ponto de vista acadêmico, e nosso parceiro, a Fiesp, faz o mesmo tipo de perguntas, mas de um ponto de vista muito mais operacional e, eu diria, muito mais pragmático. Em todo caso, do ponto de vista da conduta das relações industriais.”

As reuniões de trabalho com departamentos da Fiesp

“A primeira impressão é de um grande interesse por parte dos diretores dos diferentes departamentos da Fiesp que encontramos sobre esta cooperação em surgimento. Eu diria que se as principais temáticas foram definidas, de certa forma ainda resta tudo a fazer. A parte essencial do trabalho está diante de nós. Então, minha primeira impressão é realmente de um interesse bem forte e importante da parte desses diretores de departamento da Fiesp que compartilharam conosco quem são, o que fazem, quais são suas atividades – e quando falo de departamentos eu penso, inclusive, no Senai-SP e no Sesi-SP que não são, se eu entendi bem, exatamente departamentos da Fiesp, mas instituições afiliadas. De forma que, hoje, para nós, iniciamos essa colaboração, ao mesmo tempo, em bases de interesse comum, de uma dinâmica comum, e de respeito e interesses recíprocos das atividades dos dois parceiros.”

Expectativas

“Acredito que nossas expectativas são, antes de tudo, descobrir o que nós somos capazes de fazer neste ambiente novo. É um novo tipo de acordo, tanto para a Fiesp quanto para a Universidade Paris 1 Panthéon Sorbonne. Não temos o hábito de trabalhar regularmente num período de três anos, período concernente a essa cátedra. Sei que nós iremos construir juntos uma colaboração bem sucedida que vai nos levar também a fazer coisas que talvez não tenhamos feito, de uma maneira que não fizemos até agora. Eu acho que este já é um dos objetivos.”

* Com tradução de Beatriz Stevens