Entrevista: diretor industrial da Toyota do Brasil fala sobre sistema de gestão ambiental premiado pela Fiesp

Montadora diminuiu o uso do recurso em até 40,9 mil metros cúbicos

Alice Assunção, Agência Indusnet Fiesp

A Toyota do Brasil venceu a 9º edição do Prêmio Fiesp de Conservação e Reúso da Água – iniciativa da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp). A montadora japonesa implantou nas instalações brasileiras o Sistema de Gestão Ambiental (SGA) no cotidiano dos funcionários das fábricas e dos escritórios.

Com o SGA, a Toyota conseguiu diminuir o consumo de água em 40,9 mil metros cúbicos de água, o que corresponde a uma redução de 81,7% do consumo inicial dos processos que passaram por melhorias. Foram investidos no projeto R$ 721,5 mil e os resultados apontam uma poupança de R$ 411 mil anuais no consumo.

Niyama: tecnologias mais limpas nas novas instalações. Foto: Divulgação

Segundo Sergio Shizuo Niyama, diretor industrial da Toyota do Brasil, a intenção é aplicar o conceito de ecofactory ou fábrica ecológica, com projetos que minimizam o impacto ao meio ambiente por meio de tecnologias mais limpas em todas as novas instalações.

Leia entrevista com Sergio Niyama na íntegra:

Como funciona o Sistema de Gestão Ambiental na prática?

Sergio Niyama - O Sistema de Gestão Ambiental (SGA) é sustentado por três pilares: zero caso de não conformidade legal/reclamações; atividades de minimização de riscos ambientais e melhoria contínua da performance ambiental (água, resíduos, energia, emissão atmosférica, efluente).

Para melhorar ainda mais o seu sistema de gestão, a Toyota do Brasil implementou o Sistema de Desenvolvimento de Gerenciamento de Chão de Fábrica (FMDS na sigla em inglês), cujo objetivo principal é fortalecer o gerenciamento diário. Utilizamos o conceito dos 3Rs: reduzir, reutilizar, reciclar. As ações prioritárias estão concentradas em reduzir o consumo na fonte. Posteriormente, passa-se para os trabalhos de reutilização / reúso do recurso. Além disso, prioriza-se trabalhar, sempre que possível, com os recursos disponíveis, evitando grandes investimentos, apenas o necessário para colocar as ações em prática. Todos os profissionais da companhia são incentivados a detectar oportunidades de melhoria e criar contramedidas para otimizar e melhorar os processos, faz parte do programa de desenvolvimento pessoal e profissional dentro da empresa, aumentando o nível de conscientização ambiental entre todos os colaboradores e criando uma cultura de otimização dos recursos e de proteção ao meio ambiente.

Qual foi o maior desafio para implantar o projeto?

Sergio Niyama - O maior desafio é sempre se superar, ou seja, os colaboradores são constantemente incentivados a desenvolver outras soluções mais ou melhorar as já instaladas. Em um primeiro momento pode parecer difícil, tendo-se a impressão de que foram esgotadas todas as possibilidades de aprimorar ainda mais determinado processo. Mas, por meio da análise profunda de cada caso, sempre aparecem oportunidades de melhorias.

Que tipo de benefício o projeto trouxe para a empresa? E para os funcionários?

Sergio Niyama – Com o desenvolvimento desses trabalhos, conseguimos maior eficiência na utilização dos equipamentos, redução no consumo de água e consequentemente, na quantidade gerada de efluente para tratamento. O maior ganho, entretanto, é a criação desta cultura de conservação dos recursos naturais que se cria dentro da empresa entre os colaboradores, ao evidenciarem, na prática, os ganhos com cada uma dessas atividades de melhoria.

Os principais beneficiários são os colaboradores, os quais têm seus trabalhos reconhecidos internamente e internacionalmente, por meio de uma premiação ambiental da empresa realizada anualmente no Japão, homenageando as melhores práticas de todas as unidades no mundo. Uma cópia do projeto é enviada para as demais filiais, para que possam aplicar a mesma melhoria em seus processos e também obter os ganhos ambientais.

Além desse reconhecimento mundial, localmente é realizada uma entrega de troféu para os setores que desenvolveram os melhores trabalhos e premiações para os colaboradores envolvidos diretamente na realização da melhoria, como forma de agradecimento e incentivo.

A Toyota tem novos planos para ajudar na conservação do meio ambiente?

Sergio Niyama - Sim. Trabalhamos diariamente com esta visão de conservação do meio ambiente, não só a curto, mas também a longo prazo. Por meio do plano de ação ambiental da empresa, elaboramos metas com foco em atividades de melhorias capazes de aprimorar os resultados. O documento é revisado a cada cinco anos, com metas já definidas, e, como desafio, essas são reduzidas a cada ano. Desta forma, torna-se necessário melhorar o desempenho dos indicadores ambientais a cada ano, incentivando sempre o desenvolvimento de mais melhorias. Além disso, sempre que há a instalação de uma nova fábrica no Brasil, trabalha-se com o conceito de ecofactory, com projetos que minimizam o impacto ao meio ambiente, através da introdução de tecnologias mais limpas. Foi o recente caso da planta de Sorocaba (SP) e assim será com a futura instalação da fábrica de motores da planta de Porto Feliz (SP).