imagem google
Início do conteúdo

Embaixador da China no Brasil visita a Fiesp para aumentar intercâmbio comercial

No encontro com representantes do Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior da federação, Li Jinzhang falou sobre áreas prioritárias para os dois países

Ariett Gouveia, Agência Indusnet Fiesp

Nesta segunda-feira (09/06), o embaixador da China no Brasil, Li Jinzhang visitou a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) para tratar da cooperação comercial entre os dois países. Também fizeram parte da comitiva chinesa Zheng Kejun, conselheiro cultural da Embaixada, Tian Min, conselheira política do órgão e Yu Yong, conselheiro econômico e comercial do Consulado Geral da China em São Paulo.

Pelo Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior (Derex) da Fiesp, estiveram na reunião, Thomaz Zanotto, diretor titular do departamento, Harry Chiang, diretor do Derex  responsável pelo desk China e Gustavo Cortês, diretor do Derex e do Departamento de Infraestrutura (Deinfra) da Fiesp.

Jinzhang agradeceu a oportunidade de estar na Fiesp. “É o meu terceiro ano de trabalho no Brasil. Estive várias vezes em São Paulo e, sempre que passava pela sede da Fiesp, as pessoas me diziam que é a organização empresarial mais forte do Brasil. Mas é a primeira vez que entro nesse prédio”, contou o embaixador. “Com esforços das duas partes, acredito que a Fiesp vai contribuir ainda mais para as cooperações entre os dois países em todas as áreas.”

A reunião com os chineses: apoio da Fiesp para uma aproximação maior entre os dois países. Foto: Everton Amaro/Fiesp

A reunião com os chineses: apoio da Fiesp para uma aproximação maior entre os dois países. Foto: Everton Amaro/Fiesp


Zanotto destacou a recente viagem de uma comitiva da Fiesp à China para promover uma agenda pró-ativa de negócios com aquele país, focando em três áreas de cooperação: infraestrutura, agronegócio e o investimento de empresas chinesas no Brasil, para atender o mercado local.

“A indústria precisa de mais infraestrutura, a preços menores. E ficamos muito impressionados ao visitar empresas dessa área na China”, contou o diretor titular do Derex. “E há muitas oportunidades para a China no Brasil. Por exemplo, já que o Brasil é um grande exportador de algodão, pode valer a pena para as indústrias chinesas produzirem aqui para o Mercosul em vez de trazer da China, assim como em outros setores como couro e madeira.”

Para o embaixador, as três áreas sugeridas pela Fiesp devem ser consideradas prioritárias. “Agora as nossas cooperações de investimento saltaram para um novo nível histórico. A China já se tornou o maior parceiro comercial do Brasil. Com a Fiesp participando desse processo de catalisação das cooperações, os negócios na área de comércio e investimentos entre a China e o Brasil vão conseguir um salto ainda maior.”

Durante o encontro, outros assuntos abordados foram a visita do presidente da China, Xi Jinping, ao Brasil, em julho, e a criação de uma câmara de comércio Brasil-China.