imagem google

Sesi-SP perde para São José dos Campos no Campeonato Paulista Masculino de Vôlei

Com derrota, equipe não pode mais ser líder e decide na sexta-feira (19/09) uma colocação na tabela contra Brasil Kirin

Lucas Dantas, Agência Indusnet Fiesp, de São José dos Campos (SP)

O time de vôlei masculino do Serviço Social da Indústria (Sesi-SP) entrou em quadra contra o São José, na noite de sábado (13/09), em São José dos Campos (SP), com duas missões: recuperar-se da derrota para o Taubaté na rodada anterior e buscar uma vitória que valesse três pontos (por 3 sets a 0 ou 3 sets a 1), o que ainda permitiria sonhar com a liderança da primeira fase, caso o time também superasse o Brasil Kirin na última rodada. Porém, o desempenho excepcional de Juninho, ponteiro do São José, acabou com a segunda possibilidade ainda no terceiro set. Restava lutar pela vitória, mas, depois de uma batalha de cinco sets, o Sesi-SP saiu derrotado por 3 sets a 2 (22/25,  25/18, 27/29, 25/23 e 10/15).

Imagem relacionada a matéria - Id: 1542055578

Foto: Lucas Dantas/Sesi-SP Divulgação


Ao final da partida, o técnico do Sesi-SP, Marcos Pacheco, disse perceber uma evolução na equipe apesar do resultado.

“Não foi uma semana boa em resultados, mas foi para mostrar evolução. Eu consigo ver algumas áreas importantes e onde vou trabalhar o time na hora da decisão. Tem muito trabalho esta semana até o jogo contra o Campinas, onde vamos entrar para ganhar, mesmo com a impossibilidade de liderança. Depois, só depois, vou pensar na segunda fase.”

Destaque do jogo com seis pontos de saque (aces), o central Riad lamentou os erros da equipe que custaram a vitória. Mas mostrou estar de acordo com o treinador ao pedir a vitória na última partida da etapa classificatória.

“Saquei bem, mas não adiantou. Queria uma vitória, mesmo se não tivesse nenhum ponto meu de saque. Erramos muito, demos muitos pontos. Não podemos, com nosso poder de fogo, errar tanto assim. Agora, vamos para cima do Campinas, buscar a vitória e parar a série de derrotas. Um time do nosso nível não pode ter duas derrotas seguidas.”

O Sesi-SP se concentra no clássico contra o Brasil Kirin, na sexta-feira (19/09), em São Carlos, às 20h30.

A equipe entrou em quadra com o levantador Marcelinho, o oposto Théo, os centrais Riad e Aracaju e os ponteiros Mão e Douglas, além do líbero Serginho. Entraram Thales, Fabio, Thiaguinho e Rafael Araújo.

O jogo

Precisando da vitória a qualquer custo para continuar sonhando com a liderança, Marcos Pacheco lançou Douglas Souza de início. E o jovem ponteiro era a principal opção ofensiva de Marcelinho para vencer o bloqueio do São José. Enquanto isso, Aracaju fechava a porta do lado paulistano, equilibrando as ações.

Com o time mais encorpado do que no amistoso de pré-temporada, o Sesi-SP logo assumiu o controle do set, fechando o primeiro tempo técnico em 08/05, dando a entender que seria uma partida mais fácil. Porém, a equipe da casa virou o jogo em dois bloqueios de Kaio: 11/12. Pacheco trocou Théo por Rafael Araújo, mas foi com três aces seguidos de Riad que o time virou para 16/15. Com Juninho, o São José empatou em 18/18. Aracaju, em mais um bloqueio, botou o Sesi-SP na frente. Mas foi a última vez que o time assumiu a liderança na etapa. A arbitragem não marcou uma invasão, bastante reclamada por Riad, e o São José virou para 21/22, mantendo-se na frente até o final, em 22/25.

Com uma postura muito mais agressiva e pouquíssimos erros, o Sesi-SP voltou para o segundo set atropelando o São José. Incorporando o lema “Time de Guerreiros”, os jogadores vibraram demais com cada ponto, aumentando a confiança da equipe. Douglas subiu sozinho contra Everthon e segurou no bloqueio. Riad também fechou a porta para cima de Jean. Serginho e Mão não deixavam a bola cair. O São José ainda cometia erros básicos, ampliando uma vantagem que chegou a 14 pontos (20/06). Empurrado pela torcida, o time da cidade buscou diminuir a enorme diferença com raça e ajudado por quatro aces seguidos de Juninho. O jogo que chegou a marcar 23/12 para o Sesi-SP, chegou a ficar 24/18, com dois pedidos de tempo de Pacheco. Mas como era uma diferença muito larga, foi questão de tempo até Mão explorar o bloqueio rival e fechar em 25/18, empatando a partida.

Empolgados com a atuação no final do set anterior, os jogadores do São José entraram ligados e dispostos a vencer a etapa a qualquer custo. O time de Pacheco não conseguiu imprimir o ritmo do segundo set e viu os rivais levarem o primeiro tempo técnico em 07/08, após Juninho explorar o bloqueio de Douglas. A virada veio em 11/10, com o próprio Douglas, mas sem ampliar. Ficou um jogo ponto a ponto, mas o saque de Riad mais uma vez apareceu e o Sesi-SP fechou o segundo tempo técnico em 16/14. O equilíbrio se manteve e o time da casa virou em 18/19, com bloqueio de Rodolpho contra Mão, que incendiou a torcida. Novamente o Sesi-SP virou, com Rafael, em 21/20, mas Gielinski, em jogada rápida pelo meio, botou o São José na frente de novo (21/22), mantendo a vantagem até 23/24, quando Riad, em mais um ace na partida, empatou de novo. Na sequência, bloqueio de Mão colocou o Sesi-SP em vantagem, mas Riad sacou na rede. Tudo igual. Mão usou o bloqueio e fez 26/25, mas Jean empatou de novo. Em seguida, o mesmo Mão atacou para fora, dando a vantagem para o São José. Aracaju igualou o marcador, mas Juninho botou 27/28. Na sequência, Rafael Araújo subiu, mas bateu fraco, dando a chance que o time da casa pediu para fechar, com Juninho, em 27/29 e acabar com a chance de liderança no primeiro turno.

Com a liderança perdida, sobrou a vitória na partida para ampliar a distância em relação ao terceiro lugar na tabela. E o Sesi-SP buscou no quarto set, voltando a dominar as ações e abrir vantagem contínua de três pontos em toda a etapa. Com Fabio e Rafael nos lugares de Douglas e Théo, o time da Vila Leopoldina defendeu e atacou com eficiência, valendo-se de uma maior regularidade no set. Mas sem abrir vantagem, o Sesi-SP viu o São José chegar em 21/21 e levantar o ginásio, que passou a empurrar a equipe com muito mais força. Pacheco sentiu o momento e pediu tempo. Na volta, Aracaju atacou duas vezes para botar o Sesi-SP na frente. Rafael Araújo também soltou o braço e provocou defesa sensacional de Juarez, que o central Everthon passou para fora em seguida. Aí o técnico do São José pediu tempo, com 23/21. Deu certo. Rodolpho empatou a partida ao bloquear Aracaju. Pacheco, então, pediu tempo, com 23/23. Instruções passadas, instruções assimiladas, o time voltou e com bloqueio duplo de Aracaju e Fabio, fechou em 25/23, empatando a partida.

No quinto set, quando o time precisava acertar mais, tudo deu errado. O passe não funcionou, o ataque não superou o bloqueio e os saques não entraram. O São José, assim, foi abrindo vantagem que chegou a ser de sete pontos (03/10). Pacheco pediu tempo e mexeu fazendo a inversão com Thiaguinho e Théo nos lugares de Rafael e Marcelinho. A diferença caiu para quatro pontos (08/12), mas Riad sacou para fora, esfriando a reação. O final era questão de tempo e chegou com Rodolpho pelo meio ao fechar em 10/15 para o time da casa, fechando o jogo em 3 sets a 2.