É preciso corrigir o que levou ao rombo, afirma Skaf sobre revisão do déficit

Presidente da Fiesp e do Ciesp defende medidas mais profundas para ajustar as contas públicas

Agência Indusnet Fiesp

Em entrevistas à Rede Globo e à TV Brasil, o presidente da Fiesp e do Ciesp, Paulo Skaf, defendeu medidas mais profundas para reduzir o déficit público. O anúncio da revisão do déficit era esperado, disse Skaf. “Melhor essa providência que o aumento de impostos, que a sociedade não aceita em hipótese nenhuma”, afirmou.

“O rombo [nos cofres públicos] já está aí. É preciso encaminhar soluções para corrigi-lo.” Segundo o presidente da Fiesp e do Ciesp, não havia alternativa no curto prazo ao reconhecimento do aumento do déficit público, desde que acompanhado –o que foi parcialmente feito- de efetivas medidas de combate a desperdícios, de redução de gastos, de busca de melhoria na arrecadação por meio do crescimento econômico e da implementação das reformas estruturais que estão faltando – da Previdência, política e tributária.

“Não há dificuldade que não possa ser ultrapassada quando há o interesse maior do Brasil”, comentou Skaf em relação à aprovação das reformas.