imagem google
Início do conteúdo

‘É hora de esquecer a final e pensar no futuro’, diz Murilo, do Sesi-SP

Time masculino de vôlei do Sesi-SP volta suas fichas para a Superliga

Lucas Dantas, Agência Indusnet Fiesp

A final da Copa Brasil já passou e agora o time masculino de vôlei do Sesi-SP volta suas fichas para a Superliga. Líder da competição com 43 pontos, o time da Vila Leopoldina encara neste sábado o terceiro colocado Brasil Kirin, em Campinas, às 21h30, na primeira partida após a fatídica decisão, quando foi derrotado pelo Sada Cruzeiro, no dramático quinto set. Um dos jogadores mais experientes do time e capitão da seleção brasileira, Murilo Endres, disse que, embora de difícil digestão, a partida de Maringá já passou e o Sesi-SP tem coisas mais urgentes para pensar pela frente. E a retomada deve ser já neste sábado.

“É difícil falar em digerir o resultado, porque com certeza vamos demorar muito tempo para aceitar o que aconteceu. Para alguns de nós, o jogo vai ficar marcado como um daqueles inesquecíveis. Uns a gente ganha, outros deixamos escapar e esse foi um deles”, disse. “Todo mundo aqui é experiente para conciliar as duas coisas e seguir em frente. Não adianta chegar no treino e ficar se lamentando. Temos que consertar algumas coisas para manter nosso ritmo de jogo, fazer nosso trabalho e superar aquilo o mais rápido possível. Não sei dizer se será amanhã, sábado ou depois, mas precisamos passar por cima disso o mais rápido possível”, sentenciou o camisa 8, que isentou seu parceiro Lucarelli de qualquer responsabilidade na partida.

Quando o placar estava 12 x 9 para o Sesi-SP no quinto set, Lucarelli perdeu um ataque que poderia ter mudado o rumo da partida. Mas para Murilo, isso é do jogo e o jovem atacante não deve ser de forma nenhuma cobrado por isso.

“Acabam colocando responsabilidade que não existe em cima disso. O coletivo, o time, perdeu. E se a bola foi pra ele, é porque ele é um cara de decisão, um cara importante. O Sandro não hesitou em levantar para ele, era dele mesmo. Todo mundo apontou pro Lucarelli porque sabe que ele decide um jogo. Podia ter fechado, mas não fechou e poderia ser com qualquer um. O time se abraça nessas horas. Eu ficaria muito triste, acho que ele deve estar, mas precisamos superar”, afirmou.

Murilo: “Uns a gente ganha, outros deixamos escapar e esse foi um deles”. Foto: Everton Amaro/Fiesp

Murilo: “Uns a gente ganha, outros deixamos escapar e esse foi um deles”. Foto: Everton Amaro/Fiesp


Estar de volta ao time é, para Murilo, também uma luta diária. Depois de passar 245 dias sem jogar por conta da cirurgia no ombro direito, o ponteiro foi aos poucos retomando seu lugar na equipe e ajudando com atuações cada vez mais seguras e precisas. Líder nato, orienta os companheiros em quadra, mas não esconde que ainda às custas de muita dor e ajuda dos próprios jogadores.

“É nítido que ainda tenho dificuldade e a dor vai me acompanhar por um bom tempo. Nem reclamo, porque isso não vale mais a pena. Convivo e pronto. Trabalho pra evoluir. Apesar de 8 meses para voltar a jogar, eu já sabia que seriam necessários 10 a 12 para estar bem mesmo. Nos playoffs espero estar melhor. Estou trabalhando muito, sinto dor, não preciso negar, mas tenho que trabalhar. Os médicos me ajudam demais, a comissão técnica e os companheiros também. Todo mundo sabe das limitações e ajuda bastante. Isso é trabalho de equipe, de ajudar um ao outro e nesse momento estou sendo o mais ajudado pelo time”, finalizou.

No primeiro turno, Sesi-SP e Brasil Kirin se enfrentaram na Vila Leopoldina, com o placar de 3 x 0 para o time da casa. Após o confronto contra o time de Campinas, o Sesi-SP enfrentará o Vivo/Minas, na quinta-feira (06), e o Moda Maringá na terça (11), ambos os jogos na Vila Leopoldina.

Serviço: Superliga 2013/2014
Evento: Vôlei Brasil Kirin x Sesi-SP
Data: 1 de fevereiro de 2014 (sábado)
Horário: 21h30
Local: Ginásio do Taquaral – Avenida Dr. Heitor Penteado, s/nº, Portão 7
Lagoa do Taquaral, Campinas, São Paulo