imagem google

Depois de 11 meses, Dayse só pensa em uma coisa: jogar

Afastada desde 2014 por rompimento nos ligamentos do joelho, ponteira volta ao time do Sesi-SP

Lucas Dantas, Agência Indusnet Fiesp

O time feminino de vôlei do Serviço Social da Indústria de São Paulo (Sesi-SP) estreará na temporada 2015/2016 no dia 11 de agosto pela Copa São Paulo. Como primeira partida oficial do ano, o jogo já teria ingredientes de ansiedade para a torcida e as jogadoras. Mas para uma em especial, o tempero é mais forte – marcará o fim de um hiato de exatos 11 meses sem marcar um ponto, dar um passe e abraçar as companheiras depois de uma vitória.

Fora do time desde setembro de 2014, quando rompeu os ligamentos do joelho direito, Dayse viu das arquibancadas praticamente toda a temporada do Sesi-SP, torcendo e preparando a cabeça para um ano que seria de espera. Uma lesão como essa leva pelo menos seis meses para se curar completamente, e isso custou à ponteira a inscrição na Superliga. E para quem nunca se machuca, foi um período bem diferente na carreira.

“Nunca fiquei tanto tempo sem jogar. Na minha carreira inteira, nunca tive problema de nada. Isso é muito positivo, pois nunca estou fora de jogo, de treino. Então é difícil passar por essa situação”, contou Dayse.

Dayse volta ao time do Sesi-SP depois de 11 meses afastada por lesão. Foto: Lucas Dantas/Sesi-SP

Dayse volta ao time do Sesi-SP depois de 11 meses afastada por lesão. Foto: Lucas Dantas/Sesi-SP


A jogadora sabia que não adiantaria tentar antecipar a volta, mas para piorar, o período de recuperação coincidiu com problemas familiares.

“Particularmente, eu não arrumo problema na cabeça para aceitar. Machuquei, então pensei em tratar e voltar bem. Não fico remoendo. Mas aconteceu nesta época de ter alguns problemas na minha família. Aí eu senti mais, fiquei abalada, parecia que tudo de ruim estava acontecendo na mesma época. Parecia que tudo ia dar errado, mas agora parece que vai dar certo.”

Dayse foi peça fundamental na temporada de 2013-2014, quando ainda era reserva e entrou no time esfacelado por contusões das ponteiras e ajudou a equipe a se reerguer, sendo titular e destaque na conquista do Sul-americano e no terceiro lugar no Mundial de Clubes. A temporada seguinte prometia para Dayse, que formou com Suelle uma das mais sólidas linhas de ponteiras do vôlei brasileiro. Mas a lesão atrapalhou tudo. E Dayse sabe que fez falta. Se não podia jogar, pelo menos tentou voltar para ajudar as amigas de alguma forma.

“Eu queria voltar a treinar logo e voltei bem antes do prazo. Mas estava fora da Superliga e sabia que não adiantaria acelerar nada. Mas queria voltar por elas, para ajudar, para dar alegria nos treinos, para estar do lado, mesmo sem jogar.”

Agora a ponteira está de volta. E sabe que terá uma disputa e tanto pela vaga de titular na equipe. Jaqueline e Ellen estão a serviço da seleção brasileira. Quando voltarem, serão três jogadoras brigando por duas vagas. Dayse conhece bem o técnico Talmo de Oliveira e sabe que joga quem estiver melhor, mas garante que não está se focando nisso agora.

“Esse é um ano de volta. Mesmo não estando todo mundo aqui, estou me preocupando em treinar o melhor que puder e quero jogar o máximo, mas a disputa de vaga não me preocupa agora. Estou pensando em voltar bem, em jogar bem. Só isso”, afirmou a ponteira, que também não guarda nenhum trauma da lesão.

“O médico, que sabe mais do que eu, disse que posso fazer tudo. Então vou fazer tudo. Não tenho nenhuma dor e nenhum medo. Eu sou assim”, finalizou.

O primeiro jogo oficial da temporada será dia 11 de agosto, pela Copa São Paulo. O Sesi-SP entrará já na fase semifinal contra o vencedor de São Caetano X Valinhos, na Vila Leopoldina. A decisão será dia 14.