imagem google

Das salas de aula aos canteiros de obras, Senai-SP impulsiona a construção civil em SP

Instituição oferece cursos variados e atende demandas da indústria, tendo como base a Escola Senai “Orlando Laviero Ferraiuolo”, no Tatuapé, na capital

Isabela Barros, Agência Indusnet Fiesp

Tijolo por tijolo, literalmente, é grande a contribuição do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial de São Paulo (Senai-SP) para a construção civil no estado. Das salas de aula da instituição saem pedreiros, eletricistas, encanadores, assentadores de pisos e muitos outros profissionais que fazem a diferença nos canteiros de obras. E isso para citar apenas uma atividade oferecida, já que a oferta de educação em si é apenas um dos braços do trabalho da entidade no setor.

Não à toa, o estande do Senai-SP é um dos mais procurados na atual edição da Feicon Batimat, principal salão da área no Pavilhão de Exposições do Anhembi, na capital paulista. O evento, aberto nesta terça-feira (18/02), segue até o dia 22 de março. No espaço do Senai-SP, estão sendo oferecidas palestras com temas variados, como “Sistemas de Impermeabilização” e “Alvenaria Racionalizada”, entre outros.

O estande do Senai-SP na Feicon: palestras variadas. Foto: Everton Amaro/Fiesp

O estande do Senai-SP na Feicon: palestras variadas. Foto: Everton Amaro/Fiesp

O trabalho da instituição na área, que formou 106 mil profissionais para atuar no setor em 2013, tem como quartel general a Escola Senai “Orlando Laviero Ferraiuolo”, no bairro do Tatuapé, em São Paulo. A unidade atende a vários segmentos da cadeia da construção civil, oferecendo curso técnico de Edificações, curso de aprendizagem industrial para eletricista instalador, instalador hidráulico e construtor residencial e curso de mestre de obras.

Isso além de cursos sob medida para empresas, cursos de qualificação ou requalificação e certificação profissional, entre outros. “A escola do Tatuapé ainda dissemina a formação para atender o setor em outras unidades”, explica o diretor da escola, Abilio  José Weber. “Investimos num novo perfil de formação técnica na área, com profissionais com uma visão mais plena do setor”.

Segundo Weber, o índice de empregabilidade dos alunos do Senai-SP no Tatuapé e alto. E chega a 95% em cursos como o de mestres de obras. “Na formação técnica, esse percentual fica em torno de 90%, com muitos alunos indo estudar Engenharia e Arquitetura depois”.

A presença de alunos do Serviço Social da Indústria de São Paulo (Sesi-SP), principalmente na formação técnica, chega a dois terços dos estudantes, de acordo com o diretor da escola do Tatuapé. “Oferecemos 64 vagas por semestre para os alunos do Sesi-SP que optam pela formação conjunta, em paralelo com a escola regular”, afirma Weber. “Na última seleção, em janeiro, 250 alunos se candidataram. Tivemos que fazer uma seleção”.

Sala de aula da escola do Senai-SP no Tatuapé: referência para a formação de mão de obra na área. Foto: Everton Amaro/Fiesp

Sala de aula da escola do Senai-SP no Tatuapé: referência para a formação de mão de obra na área. Foto: Everton Amaro/Fiesp


Atualmente, a Escola Senai “Orlando Laviero Ferraiuolo” atinge um total de 10 mil matrículas todos os anos, das quais 5,5 mil nos cursos sob medida para a indústria e 4,5 mil nos treinamentos realizados no Tatuapé.

No que toca à indústria, mais de 25 empresas entre as maiores do setor no país são parceiras do Senai-SP nesse sentido, ou seja, solicitam cursos sob demanda para a instituição.

Dever de casa

De acordo com Weber, a formação profissional na construção civil é “cara”, por isso a pequena oferta de cursos na área. “É tudo muito prático, alguns alunos chegam a construir uma casa como atividade”, explica. “Isso de forma completa, com todos os materiais, como cimento, pregos, pisos, revestimento e assim por diante”.

Por isso mesmo, os cursos do Senai-SP, muitos dos quais gratuitos, chegam a atrair até profissionais como arquitetos e engenheiros. “É o caso do curso de leitura e interpretação de projetos de obras civis, por exemplo”, conta Weber.

Laboratório de boas ideias

Aliadas à formação profissional, as atividades de pesquisa têm espaço principalmente no Laboratório de Ensaios Tecnológicos, no Tatuapé. “Atendemos a indústria com o desenvolvimento de concretos, vigas, soluções de argamassa”, explica o diretor da unidade.

Weber: “É tudo muito prático, alguns alunos chegam a construir uma casa como atividade”. Foto: Isabela Barros/Fiesp

Weber: “É tudo muito prático, alguns alunos chegam a construir uma casa como atividade”. Foto: Isabela Barros/Fiesp

Há ainda o trabalho de busca de soluções como, por exemplo, o cálculo de ângulos para telhados de madeira, por sinal vencedor do prêmio Inova Senai 2013 na categoria Processos.

Alcance no estado

Além da escola do Tatuapé, a cidade de Bauru, a 330 quilômetros da capital, também tem cursos técnicos em construção. Já em Itu, distante 102 quilômetros de São Paulo, e em Ribeirão Preto (315 quilômetros de distância da maior metrópole brasileira), são oferecidos cursos dentro das próprias empresas do setor, que apresentam suas demandas de treinamento para a instituição.

“Em 2013, o Senai-SP formou 106 mil profissionais para trabalhar com construção civil em São Paulo”, conta, orgulhoso, Weber.